Fechar

COLUNISTAS

VINGADORES... AVANTE!

Publicado por Elton Telles, 14:00 - 24 de Maio de 2019

Uma das franquias mais rentáveis e de maior sucesso na história do cinema chega à conclusão final com “Vingadores: Ultimato”. Sem contabilizar as sequências e os filmes com a reunião dos Vingadores, o saldo foi de 10 superproduções introduzindo novos super-heróis pertencentes ao universo Marvel (Homem de Ferro, Hulk, Capitão América, Thor, Guardiões da Galáxia, Homem-Formiga, Doutor Estranho, Homem-Aranha, Pantera Negra e Capitã Marvel) até chegar ao ponto de convergência onde todos esses personagens – e outros que não tiveram um filme solo – se encontram para destruir o implacável vilão Thanos.


Ao final de “Vingadores: Guerra Infinita” (2018), o público testemunhou Thanos alcançando o seu objetivo de dizimar grande parte da população terráquea. E junto, alguns dos integrantes dos Vingadores foram reduzidos a pó, tendo sobrado meia dúzia de super-heróis desamparados com o que restou do planeta. Anos depois, o Homem-Formiga ressurge de onde estava enclausurado sem saber o que aconteceu com o mundo e apresenta uma nova ideia para retomar o controle da situação. Ele consegue luzir uma faísca de esperança nos heróis sobreviventes, fazendo metade dos Vingadores se reunir para recuperar as seis Joias do Infinito.


E nessa segunda tentativa de fazerem as coisas darem certo, o roteiro vai entregando as situações a conta-gotas, aos poucos e explanada em detalhes, apresentando ao público cada rumo escolhido e que será adotado pela trama. Isso não é exatamente um problema, visto que a metragem do filme é relativamente longa – percebe-se alguns momentos arrastados –, a história é avolumada de personagens e ainda é um sucesso comercial. Seria um tiro no pé dos realizadores se o filme “perdesse” o espectador no meio do caminho.


A solução encontrada pela dupla de roteiristas Christopher Markus e Stephen McFeely, baseando-se na HQ de origem, se mostra bastante esperta, pois apresenta uma outra dimensão que faz cócegas na ficção científica e pouco explorada nos títulos anteriores do estúdio, além de demonstrar carinho a tudo o que foi produzido pelo universo Marvel com uma “auto-homenagem” aos filmes anteriores da série. Desta forma, revisitamos o primeiro “Vingadores” (2012), “Thor – O Mundo Sombrio” (2013) quando Asghard não tinha sido destruída e temos a chance de reencontrar personagens queridos que morreram ou foram esquecidos.


Se terminamos “Guerra Infinita” com nó na garganta e imersos num clima de velório, a atmosfera de “Vingadores: Ultimato” é muito mais reconfortante, o que não significa que seja menos desafiadora. Não me refiro somente ao enredo em si, mas também à autoconsciência dos profissionais envolvidos. Eles têm noção da magnitude do projeto e deixam transparecer neste epílogo.

Foto Avengers

Foto: Divulgação

Uma questão inicial preocupante que felizmente foi executada de forma satisfatória é a divisão de tempo em cena de cada personagem. Considerando o anterior e “Ultimato”, os roteiristas foram felizes em propor equilíbrio e dedicar certo grau de importância a cada vingador, incluindo os integrantes recentes. Com exceção do elenco principal, quem aparece muito em “Guerra Infinita” não tem tanto destaque em “Ultimato”, e isso é ótimo para que se possa explorá-los de forma individual. Por exemplo, a sensação de impotência da Viúva Negra, a desilusão do Gavião Arqueiro que se envolve no submundo do crime japonês ou a depressão aguda que Thor se afundou – responsável por uma das investidas cômicas mais funcionais do filme.


O equilíbrio, desta vez infelizmente, também é mensurado nas piadas. Enquanto algumas são bem encaixadas, várias outras deixam a desejar, a maioria delas envolvendo o personagem Hulk, que assume uma persona mais “tranquila”. Entretanto, o exercício de empatia já conferido nos projetos predecessores aqui também se faz presente, sem falar na sensação prazerosa de ver na telona aquele personagem por quem criamos certa afeição e acompanhamos há mais de uma década.


Dirigido com envergadura pelos Irmãos Russo, “Vingadores: Ultimato” apresenta vários momentos catárticos e decisivos para o destino de alguns super-heróis – resta saber se são definitivos. A sequência entrega excelentes cenas de ação, culminando em um clímax espetacular, potencializado por ótimos efeitos visuais e pela trilha sonora magnânima e já clássica composta por Alan Silvestri.


Apesar de todo o alvoroço em cima de seu lançamento, é preciso esclarecer que “Vingadores: Ultimato” não é o ápice da franquia, pois apresenta alguns sinais de cansaço e redundâncias que poderiam ser resolvidas com facilidade. Mas merece crédito por colocar um ponto final divertido, empolgante e – pra surpresa de muitos – romântico a um dos maiores fenômenos já concebidos pela indústria do entretenimento.

4 estrelas

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo