Fechar

COLUNISTAS

Escolha é ato, escolher é um direito

Player

Publicado por Gilson Aguiar, 08:45 - 05 de Outubro de 2018

Domingo vamos fazer 6 escolhas. Dois deputados, um estadual e um federal, dois senadores, o governador e o presidente. Vamos definir na escolha de cada um a lógica que temos sobre o que estamos vivendo e a melhor resposta para os nossos problemas. Individualmente, vamos expressão com nossa opção o que consideramos o melhor para todos. Isto é a democracia.


No regime representativo, por mais que vença a maioria, a opção de cada um é uma expressão particular de todos que tem o direito de escolher. Podemos não ter eleito os candidatos, talvez alguns, ou nenhum dos que escolhemos. Mas a nossa expressão é uma possibilidade. Aquela que foi eleita passa a ser legítima por ter tido a maior parte dos escolhidos. Querendo ou não, se legitima pela maioria.


O problema principal não é escolher, é acompanhar as escolhas feitas, eleitas ou não. Daqui quatro anos confirmarmos, mudarmos, total ou parcialmente, as escolhas que fizemos. Se fizemos isso, vamos sentir mais segurança em mantermos ou não a opção.


Importante, também, entender as relações que se estabelecem no poder. O que o faz ser como é. Aprender que a política é algo humano, diário, constante. Necessário. O ser político entende que a vida é feita da busca pelos nossos interesses em um jogo de forças. Saber como funciona o poder ajuda a compreender o efeito das escolhas que fazemos.


Para finalizar, considero que toda a escolha é um ato, mas o importante é a permanência do direito de escolher. Podemos rever nosso voto de 4 em 4 anos. Este é um direito que não podemos abrir mão. Se tudo der certo, podemos manter a escolha ou a tendência, se não, mudamos. Esta é a condição fundamental para garantir que a democracia amadureça, cheia de acertos e erros.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo