Fechar

COLUNISTAS

Destruído pelo descaso e o tempo

Publicado por Zona Livre, 10:13 - 28 de Dezembro de 2018

Muito importante o decreto da governadora Cida Borghetti, assinado ontem, declarando de utilidade pública o Maringá Bandeirantes Hotel. Porém, só o decreto, será de pouca utilidade. O hotel está entregue ao descaso e ao tempo, colecionando avarias e problemas, inclusive estruturais.


Algumas vezes falamos na CBN sobre o Maringá Bandeirantes Hotel. Um patrimônio histórico importante, tombado e fechado, desde 2005, abandonado, sem qualquer tipo de manutenção. Os efeitos deste abandono são muito visíveis, cada vez mais evidentes para quem passa pelo prédio.
Ontem à tarde, a governadora Cida Borghetti anunciou a assinatura do decreto de utilidade pública do prédio, um primeiro passo para a desapropriação. O objetivo seria transformar o Maringá Bandeirantes Hotel em um museu sobre a urbanização do noroeste do Paraná.


No ano passado a Prefeitura de Maringá também publicou decreto de utilidade pública, com o objetivo de impedir a venda do prédio e a sua possível descaracterização.


A verdade é que o hotel, construído na década de 50, um projeto do arquiteto José Augusto Bellucci, com 6 mil metros quadrados, domina uma área nobre central com a sua imponência histórica e algo de fato precisa ser feito para impedir a perda deste patrimônio para o descaso e o tempo.


Para ser objetivo: o governo municipal precisa buscar uma parceria concreta com o governo Ratinho Junior para a concretização de um projeto que preserve o Maringá Bandeirantes Hotel. Um museu e um centro cultural podem ser implantados no local. Isto é, de fato, importante e urgente.


A foto é de Suely Sanches e foi publica na página Maringá em fotos no dia 8 de setembro de 2018.


 

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo