Fechar

+ Esportes

Automobilismo

Entenda a disputa entre Rio de Janeiro e São Paulo pela F-1

Publicado por Folhapress, 13:28 - 25 de Junho de 2019

Bloco de Imagem

Foto: Reprodução/Instagram

Uma declaração do presidente Jair Bolsonaro nesta segunda (24), de que há 99% de chances de o GP Brasil migrar de São Paulo para o Rio de Janeiro a partir de 2021, voltou a alimentar uma disputa entre as cidades pela F-1.


Enquanto a capital paulista tenta manter a prova em Interlagos, o Rio, com o apoio de Bolsonaro, planeja a construção de um novo autódromo para receber a categoria. Ao lado do governador Wilson Witzel, o presidente participou de encontro com representantes da F-1 no Palácio do Planalto.


Nesta terça (25), será a vez de o governador João Doria receber os responsáveis pela categoria, no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo.


Entenda a disputa entre as cidades pela F-1:


Até quando vai o contrato da F-1 com São Paulo?


Até 2020, ou seja, mais dois GPs estão garantidos pela categoria em Interlagos.


O que acontecerá a partir de 2021?


A F-1 afirma que negocia com Rio de Janeiro e São Paulo, mas que ainda não tomou nenhuma decisão. "No momento, não temos nada fechado. Estamos ainda em negociações. Não queremos eliminar qualquer possibilidade e estamos negociando com Rio de Janeiro e com São Paulo, onde temos contrato até 2020", disse o diretor-geral da categoria, Chase Carey.


Qual é a participação de Bolsonaro nas negociações?


O presidente tem sido um dos defensores da transferência do GP Brasil para o Rio de Janeiro. Em maio, ele assinou um termo de cooperação com esse objetivo e disse até que a mudança poderia ocorrer em 2020, o que foi descartado pela F-1. Já nesta segunda (24), ele afirmou que há 99% de chance de a F-1 ser transferida de São Paulo para o Rio a partir de 2021.


Como o Rio quer levar a F-1 para a cidade?


Construindo um autódromo na região de Deodoro, zona oeste da cidade. No dia 20 de maio, o único grupo a mostrar interesse no negócio, o consórcio Rio Motorsports, foi anunciado pela Prefeitura do Rio de Janeiro como vencedor da licitação para construção e operação por 35 anos do circuito.


O projeto de construção do autódromo está orçado em R$ 697 milhões e prevê uma pista de 5.835m projetada pelo arquiteto alemão Hermann Tilke, autor dos desenhos de circuitos como os de Xangai, na China, e Sepang, na Malásia. A capacidade de público será de 130 mil pessoas. Segundo o governo, não haverá dinheiro público no projeto.


A concessionária diz que o prazo de construção pode chegar a 17 meses, mas que "em um cenário otimista" poderá reduzir para 14 meses. Segundo a Rio Motorsports, fazem parte do consórcio a construtora espanhola Acciona e as empresas Sporttotal (alemã) e Golden Goal (brasileira), especializada em marketing esportivo.


Qual é o impacto ambiental que envolve e construção?


Ela pode resultar na derrubada de cerca de 180 mil das 200 mil árvores espalhadas pela floresta do Camboatá. A área total da floresta é de 201 hectares. Desses, 169 hectares comportam vegetação arbórea segundo relatório realizado pela Diretoria de Pesquisas Científicas do Jardim Botânico do Rio de Janeiro a pedido do Ministério Público Federal (MPF). Boa parte dessa área seria afetada pela construção do circuito.


São Paulo abrirá mão do evento?


O governador João Doria e o prefeito Bruno Covas têm se articulado para que a cidade não perca um dos seus eventos mais atrativos comercialmente. Doria disse que, no ano passado, os três dias de GP em Interlagos geraram 10 mil empregos e cada turista gastou, em média, R$ 3.000 durante o fim de semana de provas. "Os hotéis registraram 97% de ocupação, e o público é composto por 77% de turistas dos países vizinhos, da Europa, África do Sul", afirmou.


Segundo a SPTuris, a última corrida movimentou cerca de R$ 334 milhões com o turismo, um crescimento de 19,2% frente aos R$ 280 milhões registrados em 2017. O valor é superior ao Carnaval, com R$ 220 milhões, e a Parada do Orgulho LGBT, com R$ 288 milhões.


Quanto já foi investido de dinheiro público no autódromo de Interlagos?


Levantamento do jornal Folha de S.Paulo, com base em informações de contratos publicados no Diário Oficial e também por jornais da época, mostrou que o autódromo de Interlagos recebeu investimento público de ao menos R$ 830 milhões (em valores corrigidos pela inflação) ao longo dos últimos 29 anos em que sediou o GP Brasil.


Quem organiza o GP Brasil atualmente?


Tamas Rohonyi, 80, é o promotor do GP Brasil desde 1980. Dono da Interpub, o empresário húngaro naturalizado brasileiro afirmou à Folha em maio que atualmente é impossível pensar em uma prova da categoria no Brasil fora do autódromo de Interlagos: "Não acredito em leilão, não interessa para ninguém. Esse tipo de avaliação não é quem dá mais, é quem pode realizar. São Paulo, hoje, não tem concorrência nem aqui, nem na Argentina".

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo