Fechar

Maringá

Maringá

A história da mulher que aceitou ficar cega para não abortar a filha

Publicado por Monique Manganaro , 16:28 - 16 de Agosto de 2019

Bloco de Imagem

Márcia e Lariane são prova do amor entre mãe e filha. Foto: Arquivo Pessoal

Realizar o sonho de ser mãe ou continuar a vida “normal” enxergando? Com apenas 15 anos, Márcia Bonfim Vieira foi colocada diante dessa escolha após ser diagnosticada com uma doença inflamatória nos olhos. Mesmo com opções de reverter a cegueira, para ela, optar pela vida da filha era a única saída correta e “óbvia”. Não havia escolha. O aborto não era opção, garante.


Paranaense de São João do Ivaí (a 121 quilômetros de Maringá), Márcia engravidou em outubro de 1993.



“Eu ia fazer 15 anos ainda, em dezembro, [mas a gravidez] não me assustou, porque eu sempre quis ter um bebê. Então, fiquei muito feliz na época”, relembra.



Em meio à emoção de receber a primeira filha, os sintomas de uma doença que mudaria toda a vida que Márcia levava apareceram ainda nos primeiros meses de gestação. As dores nos olhos, a vermelhidão e a visão turva foram os sinais iniciais. Em dezembro do mesmo ano, a então adolescente já tinha perdido praticamente toda a visão.


Especialistas precisavam ser consultados. Pela falta de recursos da cidade à época, foi preciso procurar ajuda na região. Após a primeira consulta em Apucarana, no mesmo dia, os médicos decidiram transferi-la para Curitiba, onde ficou internada por 12 dias.


Foi na capital o diagnóstico: uveíte.



“Lá eu descobri que eu estava com uma doença sem origem. Eles não conseguiram achar a causa para a minha perda de visão no momento. Mas já estava muito inflamado e [eu] já não estava enxergando mais nada”, explica.



O tratamento foi iniciado em Curitiba, a base de fortes remédios, mas a vida continuava e a gravidez evoluía. A esperança de voltar a enxergar ainda existia.


Sem conseguirem determinar a origem da doença, os médicos de Márcia decidiram dividir o caso com oftalmologistas americanos que estariam no Brasil naquele ano.


Com a chegada dos médicos ao Brasil – e ela entrando no sexto mês de gestação – surgiu, então, uma boa notícia (aparentemente): os especialistas descobriram um tratamento e gostariam de submete-la à pratica que a devolveria boa parte da visão.



“Na hora, eu fiquei muito feliz de estar os ouvindo falar que eu ia voltar a enxergar”.



Porém, ao explicarem os procedimentos que seriam necessários, veio o susto.



“Para a gente fazer esse tratamento, você vai ter que fazer o aborto. Você pode romper essa gravidez para voltar a enxergar. Você vai passar por um procedimento que o feto não vai suportar”, relembra.



Recuperar a visão exigia que Márcia abandonasse o maior sonho da vida até o momento.


Ao saber da notícia, mesmo ainda desesperada pela condição em que estava, ela decidiu rapidamente não fazer o aborto.



“Eu queria ser mãe. Não havia dúvida. É óbvia para mim essa escolha”, enfatiza.



A gravidez seguiu e em julho do ano seguinte chegou o momento tão esperado: o nascimento de Lariane. Para os médicos, ainda restavam preocupações sobre a formação da bebê por causa dos remédios utilizados no início da doença. Mas a criança nasceu sem sequelas.


O amor de mãe se mostrou, mais uma vez, acima de todas as dificuldades enfrentadas pela família.



“Eu pedi para o meu médico me deixar vê-la. Eu só queria ver a minha filha na hora em que ela nasceu. Aí, ele falou: ‘eu vou te mostrar’ e encostou o rostinho dela, ainda quente, na minha bochecha. Eu pude ter o primeiro contato. Isso para mim foi muito lindo”, emociona-se.


Bloco de Imagem2

Márcia conheceu o goalball em Maringá e chegou até a seleção brasileira; atualmente ela defende o Santos Futebol Clube. Foto: Arquivo Pessoal

A chegada a Maringá e a transformação pelo esporte


Mesmo após ser submetida a diversos tratamentos, voltar a enxergar já não era mais alcançável. O quadro era irreversível.


Ainda enfrentando dificuldades para lidar com as novas condições, em 2000, mais mudanças. Uma nova vida em Maringá começava e o recomeço para Márcia estava próximo.


Na época, ela lembra que ainda não andava sozinha pelas ruas e tinha vergonha da própria condição. O preconceito em usar bengala a deixava dependente de outras pessoas.


Foi quando conheceu a Associação dos Deficientes Visuais de Maringá (Adevimar).



“Foi a associação que me apresentou ao mundo. Sou muito grata por tudo o que vivi lá”, afirma.



A essa altura, Márcia teria uma ajuda inesperada para seguir a vida: o esporte.


Dentro da própria associação, ela teve o primeiro contato com o goalball – modalidade praticada exclusivamente por deficientes visuais.


No convívio com outras pessoas na mesma condição, Márcia lembra que ganhou confiança e vontade de voltar a ser independente nas práticas do dia a dia.



“Eu queria muito poder ser livre como fui na infância.”



O contato com o esporte foi o gatilho para que ela se redescobrisse. A prática a levou para as competições, regionais, estaduais, nacionais e internacionais após ingressar na seleção brasileira feminina da modalidade.


Depois de oito anos em Maringá, a nova Márcia e a filha voltavam a morar em São Paulo. A ideia era se preparar ainda mais para os jogos paraolímpicos da China.


Reconhecimento


A história da atleta na seleção terminou em 2014, com grandes conquistas na bagagem: participação de mundiais na Finlândia e na Turquia; paraolimpíadas em Londres, campeonato na Suécia.


Dentro do goalball, um novo amor. Após anos separada, Márcia conheceu o atual companheiro. Hoje, aos 39 anos, a pequena Lorena é a irmã de Lariane, que completou 25 anos. Para Márcia, o amor pelas filhas e pela família se multiplicou.



“Atualmente, eu sou atleta de alto rendimento do Santos Futebol Clube e no ano passado a nossa equipe foi campeã brasileira. Eu sou muito realizada no esporte, na minha vida, e hoje só tenha a agradecer por tudo o que aconteceu. Pelos momentos não tão bons, porque servem para a gente criar força. É caindo que a gente aprende a se levantar”, diz.



Até hoje, nenhum arrependimento pelas escolhas que fez.



“Eu dou a minha vida por elas. Elas são a minha razão de viver, a minha força de lutar com a vida e nunca desistir.”


Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo