Fechar

Maringá

1º Semestre

Até que a morte os separe? 268 casais se divorciaram em Maringá

Publicado por Fábio Castaldelli, 17:50 - 15 de Agosto de 2019

Até que a morte os separe? Nem sempre. No primeiro semestre deste ano, 268 casais se divorciaram em Maringá. O número, entretanto, é o mais baixo para o período desde 2010, quando 180 pessoas decidiram “acabar” com o casamento.


O levantamento é da Associação dos Notários e Registradores do Estado do Paraná (Anoreg-PR), feito com base nos dados da Central Notarial de Serviços Eletrônicos Compartilhados (Censec), a pedido do Portal GMC Online.


De acordo com os dados, o mês com maior número de divórcios em Maringá foi fevereiro (59), seguido por abril (56), maio (47) e março (44). Janeiro (43) e junho (19) foram os meses com menos separações.


Na comparação do primeiro semestre com igual período do ano passado, o número de divórcios teve uma leve redução, de 1,8% - entre janeiro e junho de 2018, 273 casais optaram pela separação.


Em todo o Paraná, 4.735 casais assinaram o divórcio nos seis primeiros meses do ano.



Número de divórcios em Maringá, na primeira metade de 2019


2019 = 268
2018 = 273
2017 = 291
2016 = 286
2015 = 276‬
2014 = ‭291‬‬‬‬
2013 = ‭312‬‬‬‬
2012 = ‭314‬‬‬‬
2011 = ‭352‬‬‬‬
2010 = ‭180‬



Casamentos


Os casais se separaram menos e também casaram menos, em Maringá. Enquanto de janeiro a junho deste ano mil pessoas trocaram as alianças na cidade, no mesmo período de 2018, 1.096 casamentos foram realizados – diminuição de 8,7%.


O levantamento é da Anoreg-PR e levou em consideração informações da Central Nacional de Informações do Registro Civil (CRC Nacional).


No Paraná, a queda no número de casamentos foi de 9,5%, passando de 27.380 no primeiro semestre de 2018 para 24.769 este ano. 

Bloco de Imagem

Foto: Ilustrativa/Freepik

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo