Fechar

Maringá

Parque do Japão

Drenagem no lago revela material com aparência contaminante

Publicado por Redação GMC Online, 15:58 - 19 de Junho de 2019

Bloco de Imagem

Foto: Aldemir de Moraes/PMM

A drenagem de um dos lagos do Parque do Japão, finalizada na manhã desta terça-feira  (18) revelou a presença de material com aparente característica contaminante no leito. O segundo lago, em frente ao deck, também será esvaziado. Carpas foram retiradas e transferidas para dois lagos menores, onde estão sob tratamento. Também se alimentam de forma diferenciada. A transferência foi necessária para interromper mortandade, observada a partir do último final de semana de maio. Cerca de 300 carpas morreram.

Desde então, especialistas em peixes da UEM e da Unicesumar, instituições de ensino com as quais o Parque do Japão mantém convênio, acompanham o problema. Exames em carcaças não foram conclusivos, mas levantaram suspeitas sobre contaminação por diversas substâncias químicas, entre elas soda cáustica. O produtos poderiam ter sido carreados aos lagos pela enxurrada. Contudo, exames preliminares não confirmam as suspeitas. Análise da água de diversos pontos do parque está em fase de finalização.


Medida emergencial sugerida por especialistas, que entenderam a necessidade de transferir as carpas de um lago para outro, interrompeu a mortandade, reforçando a tese de contaminação.



"A mobilização para fazer a transferência trouxe riscos às carpas, pois o estresse da movimentação poderia causar mais mortes, mas foi uma decisão muito acertada, considerando que as suspeitas de contaminação eram muito fortes", afirma Maria Lígia Guedes, diretora Executiva da Secretaria de Serviços Públicos (Semusp).



Desde que foram transferidas para novos lagos, onde as carpas estão sob medicação e alimentação controlada, não ocorreram mortes. Contudo, ainda não se chegou a uma conclusão sobre o real motivo das mortes.



"A análise da água vai nos dar alguma certeza, mas o importante é que agimos com a rapidez necessária para salvar as carpas", afirma Maria Lígia, lembrando da importância dos professores da UEM e do Unicesumar. "As recomendações dadas por eles foram decisivas para a solução do problema", acrescenta.



Por assessoria de imprensa da Prefeitura de Maringá

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo