Fechar

Maringá

Marotona digital

Estudantes são desafiados a resolver problemas de fiscalização de obra

Publicado por Victor Simião/CBN Maringá, 11:14 - 18 de Agosto de 2019

Bloco de Imagem

Foto: Victor Simião/CBN Maringá

Depois de uma longa viagem, nada de descanso. Os estudantes de engenharia elétrica Rafael Genubidim e o Saulo Muzolon vieram de Guarapuava para participar de um desafio organizado pelo Conselho de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR): o 1º Hackathon do Sistema. Em síntese, o problema a ser resolvido era melhorar a fiscalização da entidade com a ajuda da tecnologia.


O Rafael Genudibim explicou que a ideia do grupo dele era a de criar um aplicativo. "[É] um aplicativo que vai gerar um QR Code, para facilitar a vida do fiscal em campo, que vai agilizar o processo e diminuir custos com transporte e tempo", detalhou. 


E é pensando, conversando, que se encontra um caminho. O Saulo Muzolon, de outro grupo, falou que para dar conta do serviço, só com organização – um planejamento que pode auxiliar quando eles estiverem no mercado de trabalho.


O tema do desafio foi “Fiscalização Inovadora, Sociedade Segura”. A competição envolvendo tecnologia foi organizada pelo Crea-PR em parceria com a Associação Profissional dos Geógrafos do Paraná . 150 estudantes, de 30 cidades do país, foram divididos em 13 grupos.


A competição ocorreu no fim de semana na Unicesumar. Os participantes tinham de resolver três problemas apresentados pelos fiscais do conselho, explicou a gerente de fiscalização do órgão, Mariana Maranhão.


Ouça na reportagem


Antes de o hackathon ocorrer, houve uma espécie de apresentação online. É que o conteúdo fugia um pouco à realidade dos estudantes, explicou o presidente da associação dos geógrafos do Paraná, Jorge Campelo.


Com o desafio em mãos, o negócio foi reunir a equipe e pensar, discutir, em busca de um consenso. No grupo do estudante de engenharia de software Guilherme Santana não tinha um chefe, todos podiam apresentar ideias.


Os três melhores projetos recebem R$ 9,5 mil. Todos os trabalhos ficam para o Crea. Segundo o presidente estadual da entidade, Ricardo Rocha, o hackathon é bom para os estudantes e bom para o conselho.


O hackathon teve 10 oficinas ao longo da programação. E, claro, muito café.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo