Fechar

Maringá

Crime

Acusado de planejar morte do sogro é julgado em Maringá

Publicado por Redação GMC,, 16:07 - 06 de Junho de 2018

O homem acusado de planejar a morte do sogro está sendo julgado nesta quarta (6) em Maringá em júri popular. O crime aconteceu em abril de 2016. A polícia concluiu a partir de imagens que o fazendeiro português Garcia Pereira Marques foi vítima de uma emboscada.


Segundo as investigações, ele teria ido a uma farmácia com o genro, pois o neto dele, filho de Cosme Alexandre Bombachini, estaria com febre. No caminho, eles sofreram uma tentativa de assalto. A vítima foi levada para uma estrada rural e assassinada a tiros. Cosme e outras duas pessoas foram presos dias depois, suspeitos de envolvimento no crime. O julgamento começou às 9h e deve terminar ainda nesta quarta (6).


O Ministério Público do Paraná acusa Cosme de planejar e executar a morte do sogro. O promotor de Justiça, Júlio César da Silva, afirmou que há muitas provas no processo e que a acusação vai pedir pena mínima de 20 anos, como no caso da outra ré, cúmplice no crime, Lenice Mariano, condenada a 20 anos de prisão no ano passado. “Demonstrou-se no processo que o réu está totalmente envolvido, desde o planejamento até a execução”, afirmou.


Cosme está sendo denunciado por três crimes: homicídio triplamente qualificado, ocultação de cadáver e comunicação falsa de crime, conforme o promotor.


A defesa de Cosme vai pedir benefício de delação premiada, segundo um dos advogados, Willian Oliveira. O advogado disse que a defesa da tese tem respaldo na colaboração do réu, que é confesso. “Vamos pedir a diminuição de pena dele e esperamos que o tribunal possa bem julgar”, disse.


*Colaborou rádio CBN Maringá.

Bloco de Imagem

O julgamento começou às 9h e deve terminar ainda nesta quarta (6). (Foto: Luciana Peña/CBN Maringá)

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo