Fechar

Maringá

paralisação nacional

Manifestação pela educação marca manhã de quarta em Maringá

Publicado por Luiz Santos, com colaboração Gustavo Fuzario, 11:36 - 15 de Maio de 2019

Bloco de Imagem

Foto: Gustavo Fuzario

Uma paralisação nacional da educação está sendo realizada nesta quarta-feira (15). As universidades públicas não terão aulas em todo o país. Em Maringá, a manhã foi marcada por um protesto no Centro e mais manifestações deverão ocorrer ao longo do dia.


O ato é um protesto contra os cortes anunciados pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub. As ações do governo federal envolvem congelamento no orçamento e de bolsas da pós-graduação das universidades, além de corte de repasses.


Para a professora Ana Lucia Rodrigues, do departamento de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Maringá (UEM), as ações do ministro demonstram incompetência em relação às políticas de educação. “É preciso que este sujeito seja substituído por alguém que efetivamente faça a gestão do sistema nacional da educação”, afirma Ana Lucia.


Segundo a professora, o movimento nacional é” uma luta em defesa da educação pública de qualidade no país e contra o corte dos 30% anunciado pelo governo”.


Henrique Olivo, estudante de Ciências Sociais da UEM, disse que a manifestação foi composta por estudantes da UEM, da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, secundaristas e sindicatos ligados à educação.


“O último corte é prejudicial para a população como um todo e está integrado à um projeto de país que vai precarizar a vida da maioria das pessoas”, disse ele.


Às 18h está marcada uma mesa redonda com o tema “E se a UEM fechar?”, no estacionamento do restaurante universitário da UEM. Também serão abordados assuntos como a questão do fechamento do Laboratório de Ensino e Pesquisa em Análises Clínicas (Lepac) e o congelamento de 28 bolsas da pós-graduação da universidade.

Bloco de Imagem

Foto: Gustavo Fuzario

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo