Fechar

Maringá

Protesto

Maringaenses vão às ruas em defesa das medidas do governo

Publicado por Carina Bernardino/CBN Maringá, 07:40 - 27 de Maio de 2019

O domingo (26) foi marcado por protestos em pelo menos 350 cidades do Brasil. No Paraná, os atos ocorreram pelo menos em Maringá, Londrina, Ponta Grossa, Guarapuava, Foz do Iguaçu e Curitiba. No município, a manifestação se concentrou em frente à Catedral e ao Fórum de Justiça. Iniciado com uma oração e canto do Hino Nacional, o ato teve várias palavras de ordem.


A manifestação organizada pelo Comitê Suprapartidário de Maringá teve o apoio de outros movimentos, como explica o organizador Willy Taguchi.


Durante o ato, os participantes disseram que não saíram às ruas pelo presidente Jair Bolsonaro, mas em apoio as medidas do governo, como a reforma da Previdência e o pacote anticrime do ministro da Justiça, Sergio Moro. O advogado Marlon Dionísio de Oliveira destaca as reivindicações.


"É um movimento 'pró-pautas do governo'. Então, a gente tem como pautas a aprovação da medida provisória 870, que dentre várias coisas, a gente defende que o Coaf fique com o Sérgio Moro, [com o] Ministério da Justiça, para que investigue as operações financeiras de todas as pessoas, inclusive os políticos, e isso tem causado um transtorno para quem possa ter algum envolvimento", pontua. 


O bloco parlamentar denominado como Centrão foi destaque de várias faixas e cartazes. Alguns foram confeccionados pela família do empresário Wilson Rubio.


A maringaense Vilma da Silva também acredita que os políticos estão contra o Supremo Tribunal Federal. Ouça na reportagem


A manifestação em Maringá terminou com uma passeata pelas Avenidas Tiradentes, São Paulo e XV de Novembro, até a prefeitura. A organização informou que cerca de cinco mil pessoas participaram do protesto. A Polícia Militar não divulgou estimativa.

Bloco de Galeria
Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo