Fechar

Maringá

Colabore

Estudante recorre a ‘vaquinha’ para promover intercâmbio cultural

Publicado por Monique Manganaro , 10:00 - 11 de Março de 2019

Bloco de Imagem

Foto: Arquivo Pessoal

Ter contato com o local onde os ancestrais viveram foi o que despertou na estudante Malu Lani Barros Arco-Verde a vontade de cruzar um oceano e viajar até a ilha de Santa Helena. A aluna do curso de Artes Visuais da Universidade Estadual de Maringá (UEM) é descendente de nativos da ilha e quer experienciar momentos nas mesmas terras onde, em 1815, Napoleão foi “deixado para morrer”, exilado.


A ilha do Oceano Atlântico Sul fica localizada entre os continentes americano e africano. De acordo com a estudante, a ideia vai além de conhecer e vivenciar a cultura local. O projeto, que busca recursos de doações para ser colocado em prática, também pretende promover um intercâmbio cultural entre alunos de uma escola de Maringá e alunos de uma escola da ilha de Santa Helena.



“As crianças trocariam cartas e desenhos. Eu levaria essas cartas comigo. Lá, eu me encontraria com as crianças na escola e a gente faria essa troca. Dessa forma, elas podem se conhecer, saber como é o cotidiano de cada uma. A intenção é estreitar esse laço, entre a ilha e Maringá”, explica.



Para custear o projeto, nomeado “Quando o Amor Transpõe o Oceano 2”, em homenagem à bisavó de Malu, a estudante recorreu a uma “vaquinha” virtual, em que qualquer pessoa pode doar o valor que julgar apropriado e colaborar com a iniciativa. As contribuições vão de R$ 40 a R$ 300 e, para cada valor, o doador recebe um brinde produzido pela própria estudante.


A meta é arrecadar aproximadamente R$ 19 mil até o dia 22 deste mês. Segundo Malu, a viagem deve ocorrer em abril.


As doações podem ser feitas diretamente na plataforma onde a estudante disponibilizou a vaquinha.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo