Fechar

Maringá

Mais longo

Eclipse lunar poderá ser visto hoje de Maringá; confira as dicas

Publicado por Luiz Santos, com Folhapress, 10:23 - 23 de Julho de 2018

O eclipse lunar da próxima sexta-feira (27) poderá ser visto de todo o Brasil, inclusive de Maringá. Segundo Lucas Fiori, administrador do Grupo de Estudos Astronômicos de Iguaraçu (Geai), o eclipse lunar total será o mais longo do século 21. Fiori afirma que a partir das 18h já será possível observar o fenômeno. A previsão é de que o eclipse acabe às 20h30.


A dica do astrônomo para ver o eclipse em Maringá é procurar por lugares que não tenham árvores, casas e prédios, que podem atrapalhar a observação.


Além disso, lugares mais escuros garantem uma visão mais interessante. Não é necessário utilizar proteção nos olhos para acompanhar o fenômeno, diferentemente do que ocorre quando há eclipses solares.


Vermelho


O eclipse lunar total mais longo do século 21 tingirá de vermelho a Lua nesta sexta-feira (27). Ao mesmo tempo, Marte estará em seu ponto mais próximo à Terra em 15 anos e especialmente brilhante.
Em quase metade do mundo, a Lua estará parcial ou totalmente na sombra da Terra das 14h14 às 20h28.


"Devemos ver uma tonalidade vermelha acobreada na Lua, com Marte logo ao lado, muito brilhante e com leve tom alaranjado", diz Pascal Descamps, do Observatório de Paris.

Bloco de Imagem

O eclipse lunar poderá ser observado em todo o país.

O que é um eclipse


Um eclipse acontece quando o Sol, a Terra e a Lua se alinham. Isso faz com que a Terra que diretamente entre o Sol e a Lua, bloqueando a luz solar. O eclipse acontece porque a Lua entra na sombra criada pela Terra.


O que é a 'lua de sangue'?


Quando acontece um eclipse total, a Lua adquire uma cor avermelhada ou alaranjada, por isso algumas pessoas chamam o fenômeno de "lua de sangue".


De acordo com o Observatório Nacional, quando toda a Lua está mergulhada na sombra do Sol, nós vemos o satélite mesmo que ele não esteja recebendo luz direta do Sol. Isso porque luz solar atinge a superfície da Lua por meio da atmosfera da Terra. Algumas faixas de frequência da luz solar são, então, filtradas, criando esse efeito alaranjado, exatamente como acontece nos crepúsculos matutino e vespertino que estamos acostumados a ver antes do nascer e após o pôr do Sol.


Não é necessário usar um telescópio, mas um bom par de binóculos pode ajudar.


Afinal, por que esse será o eclipse mais longo do século?


A pesquisadora do Observatório Nacional Josina Nascimento diz que "é tudo uma questão de geometria: nesse eclipse a Lua vai passar bem no centro da sombra da Terra".


A pesquisadora diz que é fácil ver diversos planetas no céu em julho, principalmente Marte, que estará próximo da Lua no dia do eclipse.



"Vários planetas estão visíveis a olho nu no céu: Vênus está visível a oeste após o pôr do Sol, Júpiter já está alto no céu quando o Sol se põe, Saturno está visível também no início da noite a leste e Marte que está em máxima brilhância, está visível a leste logo no início da noite."



Ela lembra que o próximo eclipse total da Lua será na noite de 20 para 21 de janeiro de 2019, quando, diz ela, "o Brasil inteiro verá o eclipse total da Lua do início ao fim".


Atualizada às 10h desta sexta-feira (27) para acréscimo de informações.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo