Fechar

Maringá

Não nesse valor

'Sem chance de dar esse reajuste à TCCC', diz Prefeitura de Maringá

Publicado por Victor Simião/CBN Maringá, 07:58 - 28 de Maio de 2019

O pedido de reajuste de 30% na tarifa da passagem de ônibus, solicitado pela TCCC, não vai ser dado pela Prefeitura de Maringá. O chefe de gabinete do município, Domingos Trevisan, disse à reportagem da rádio CBN Maringá que não há chance de conceder o pedido.


A empresa solicitou reajuste na sexta-feira (24) passada. A busca é por uma tarifa “suportável pelo usuário”, afirmou Trevisan, na noite desta segunda-feira (27). "Nós já sabemos que o sistema está enfrentando sérias dificuldades, inclusive com queda de passageiros, imagine se dessem um aumento de 30%. Isso não vai acontecer", diz. 

A TCCC quer 30% de reajuste no atual preço da tarifa, saindo de R$ 3,90 no cartão Passe Fácil para R$ 5,10; no cartão avulso, o preço subiria do atual R$ 4,50 para R$ 6,05.


Segundo a diretoria da empresa, o valor solicitado envolve o aumento no preço de insumos, como pneus e óleo diesel. Além disso, há uma briga judicial. A empresa alega ter tido prejuízos de R$ 35 milhões nos últimos anos por conta de reajustes abaixo do necessário.


Um pedido de subsídio também já foi feito pela TCCC, mas Trevisan relatou que não vai haver neste ano. "No orçamento de 2019 nem consta essa questão do subsídio para a TCCC. O que nós podemos e estamos fazendo é discutir a realidade de hoje. O do futuro, para que possamos investir R$ 24 milhões no transporte coletivo depende de uma ampla discussão com a sociedade. É uma decisão que não deve ser tomada assim, em cinco ou seis dias, nem em uma reunião perante a Justiça", afirma Trevisan. 


A data-base do reajuste ocorre no dia 1º de junho, mas até lá não deve ocorrer a decisão do valor.

Bloco de Imagem

Foto: Divulgação/PMM/CBN Maringá

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo