Fechar

Maringá

R$ 35 milhões

TCCC pede à Prefeitura de Maringá o parcelamento de indenização

Publicado por Victor Simião/CBN Maringá, 18:13 - 24 de Abril de 2019

Bloco de Imagem

Foto: Ilustrativa/Marcio Naka/PMM

Em audiência de conciliação realizada na 2ª Vara da Fazenda pública de Maringá, a Transporte Coletivo Cidade Canção (TCCC) propôs ao município que parcelasse em 20 vezes o valor que a Prefeitura deve à empresa. A TCCC entrou na Justiça em março deste ano contra o município, alegando ter tido uma série de prejuízos. Entre outros motivos, a empresa alegou haver defasagem no preço da tarifa e ter tido prejuízos causados pela demora em alguns períodos de reajuste.

Atualmente, o preço da passagem é de R$ 3,90 para quem usa o cartão e R$ 4,50 para as passagens avulsas.


A audiência de conciliação foi nesta quarta-feira (24). Além do parcelamento da indenização, a TCCC também quer subsídio da Prefeitura. É que a tarifa de R$ 3,90, segundo a empresa, não está de acordo com os gastos que ela tem – levando em conta reajustes de salário e afins.


Em nota, a TCCC diz ver com bons olhos a postura da Prefeitura que disse que irá analisar a proposta. Essa informação de que o município irá analisar a proposta consta em ata.


Entretanto, o chefe de gabinete da Prefeitura de Maringá, Domingos Trevizan, informou que não há chance alguma de pagar a indenização. Segundo ele, a empresa pede tarifa de R$ 4,76 – o que ainda vai ser analisado.


"Primeiro que a proposta que eles chamam de reequilíbrio nos dariam um ônus de R$ 35 milhões, mesmo que em 20 meses, nós já descartamos. Não há menor possibilidade de entrarmos em acordo em relação a isso. Segundo, em relação ao reajuste da tarifa, que pediu R$ 4,76 e acrescentou o reajuste do salário do motorista e também qualquer elevação do preço de insumos. Nós vamos analisar, fazer a planilha de custos e só depois a gente vai avaliar qual reajuste será dado a partir de junho", afirmou em entrevista à CBN Maringá.

Em até 15 dias a Prefeitura deve apresentar o que decidiu – a chamada contestação.


Desde o início da gestão Ulisses Maia em 2017, o poder público e a TCCC têm entrado em embates. A Prefeitura afirma brigar por diretos dos maringaenses e pediu mais linhas, ônibus e internet sem fio. Somente após algumas dessas melhorias é que o município reajustou a tarifa, mas em um valor abaixo do que o esperado pela empresa.


Já houve também a CPI do Transporte Público, em 2018. A conclusão foi a de que há justificativa para romper o contrato entre empresa e Prefeitura.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo