Fechar

Paraná

VEJA VÍDEO

Peladão de Marialva: conheça o homem que não usa camisa há 20 anos

Publicado por Nailena Faian, 08:13 - 05 de Agosto de 2019

Faça chuva, sol, calor, frio, pode até gear. Seu Português, como é conhecido por causa de suas origens, não veste camisa. Morador de Marialva (a 30 quilômetros de Maringá), ele ganhou mais dois apelidos com o passar dos anos: Descamisado e Peladão.


Manoel Gonçalves Pereira Moreira tem 76 anos e diz que há 20 anos não veste uma camisa. A última vez em que o corpo viu um tecido sobre o peito foi nos velórios dos pais, disse ele emocionado ao Portal GMC Online, ao recordar dos familiares.


Na cidade, que tem pouco mais de 35 mil habitantes, Português vai ao mercado, banco e todos os lugares, sem camisa. O pessoal da cidade já está acostumado. “Já fui impedido de entrar em alguns lugares. Mas deixa pra lá, meu dinheiro é igual ao de todos”, ressalta.


Nascido em Marialva, Português diz que na região não faz frio, por isso dispensa a camisa.



“Aqui não tem frio, essa geada de outro dia nem foi nada. De madrugada até que esfria, mas, mesmo assim, não deixo de tomar meu banho frio de manhã. Meu corpo já está adaptado a esse sistema”, explica.


Bloco de Imagem

Shorts jeans, chinelo e sol estralando no peito. Esse é o look diário do seu Português. Foto: Nailena Faian/GMC Online


  • Protetor solar que nada


Mas andar sempre sem camisa exige uma série de cuidados com a pele, sério? Que nada. O descamisado revela o seu segredo para ter a pele sempre saudável.



“Quando eu falo, ninguém acredita. Eu uso limão na pele. Faço a barba uma vez por semana e, para tirar a seborreia, passo limão. Também passo limão no corpo para tirar as manchas roxas porque a pele nossa não é mais de jovem, veias são sensíveis e qualquer coisa rebentam. Mas daí quando passo limão não saio no sol para não manchar”, conta.



Seu Português mora sozinho em uma casa rodeada de árvores, quase na zona rural da cidade.



“Minha rotina é andar para baixo e para cima, bater papo, conversar e cuidar da minha casa. Solteiro que já morou em república sabe se virar”, brinca.


Bloco de Imagem

Seu Português em frente à casa onde mora, rodeada de árvores. Foto: Nailena Faian/GMC Online


  • Inverno?


Exibindo saúde, ele garante que a falta de camisa não provoca resfriado nem mesmo agora, no inverno.



“Outro dia me falaram que eu ia pegar uma pneumonia. A gente trabalhou em lavoura com colheitadeira, puxando soja, fui caminhoneiro...Naquela época ficava sem camisa. Era muito calor e era um jeito de ficar mais à vontade, o corpo já acostumou”, lembra.



Hoje, Português vive da renda de imóveis deixados pelos pais. Toda vez que fala do pai e da mãe, não consegue conter as lágrimas de saudade.



 “Poucas famílias tiveram pais como os meus. Minha primeira função foi trabalhar na serralheria do meu pai com 10 anos de idade. Carregava madeira. Depois fui torneiro mecânico, fui de tudo. Última profissão foi a de caminhoneiro. Uma vez estava pelado dentro do caminhão. Cheguei no posto e quando desci senti um frio na bunda e corri pra dentro do caminhão botar a bermuda. Era um calor violento e naquele tempo não tinha muito movimento”, recorda, dando risada.




  • Pouca roupa, muito cabelo


Português é todo desapegado. Simpático, garante que o cabelo não vê uma tesoura há cerca de 30 anos. “Não precisa, conforme vou penteando vai saindo os cabelos mortos”, diz.


O look de cada dia é o mesmo: bermuda jeans, chinelo e o sol estralando no peito. “Como só fico na cidade, não tem necessidade de me vestir. Se tiver que botar um terno, vou botar. Só que saiu do carro já tiro”, alerta.



  • Estilo de vida "raiz"


Para falar com ele só indo até Marialva. Celular ele também dispensa e internet não quer nem saber. Diz que é para ninguém “encher a paciência”. Há alguns anos sua diversão era jogar baralho na praça ou uma partida de sinuca. “Enjoei, não tenho mais paciência”, diz.


Às 23h está na cama e às 4h o sono já acabou. Cuida da casa, passeia, conversa com os amigos, faz a própria comida. Almoçar fora não é do seu agrado. “E também não janto, só como uma salada de fruta de tarde.”



  • "Quero ser enterrado pelado"


Outro segredo para longevidade é beber muita água. Ele até ensina um processo que faz religiosamente.



“Minha água fica 10 dias em decantação. Coloco em tambores de 20 litros e depois desses 10 dias coloco em garrafas. Quando passa a mão no tambor sai aquele limbo. E só tomo água fresca, nada gelado demais nem quente demais, tem que ser meio termo.”



Sobre a morte, ele avisa a todos que seu desejo é ser enterrado pelado. “Quero viver assim, sem camisa e ser enterrado pelado. Nasci pelado, também quero ser enterrado assim”, finaliza.

Bloco de Imagem

Foto: Nailena Faian/GMC Online

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo