Fechar

Paraná

Ponta Grossa

Padrinho atira sem querer e mata afilhado de 8 anos

Publicado por Banda B e A Rede, 09:55 - 29 de Outubro de 2018

Bloco de Imagem

Menino de oito anos levou tiro no peito e morreu pouco tempo depois. Foto: Danilo Schleder

A Polícia Militar confirmou a prisão de um homem de 28 anos suspeito de causar o tiro que tirou a vida de um menino de oito anos na noite deste domingo (28) na Vila Vilela, em Ponta Grossa. O homem é o padrinho da criança e disse que estava manuseando uma pistola comprada há menos de um mês, e afirma que o disparo foi acidental. O pai da vítima, que era monitorado por tornozeleira eletrônica, também foi preso por suspeita de tráfico de drogas.


Conforme o relato da Polícia Militar, o tiro aconteceu na rua Paulo Chagas, na Vila Vilela. Assim que o menino foi baleado, o padrinho e a mãe da criança colocaram ela no carro e foram até a área central da cidade buscar atendimento médico. Em frente ao clube Tradição, na Avenida Bonifácio Vilela, eles cruzaram com uma ambulância e pediram socorro. Equipes do Corpo de Bombeiros e do Samu também foram acionadas, mas o menino não resistiu aos ferimentos e morreu enquanto recebia atendimento.


O padrinho da vítima contou que estava manuseando uma pistola recém-comprada e deu um tiro para o chão enquanto conversava com o pai da vítima. Depois disso, ele diz que pretendia guardá-la, mas não percebeu que ainda havia munição na arma. Houve um disparo que atingiu o peito da criança, que estava no portão. Após o tiro, ele jogou a arma num matagal ao lado da casa e correu com a mãe da vítima em busca de atendimento médico. Ele foi preso em flagrante pelo homicídio e negou que o disparo tenha qualquer relação com a comemoração do resultado das eleições – ele, inclusive, teria votado no candidato perdedor.


Leia mais na Banda B.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo