Fechar

Policial

Balneário Camboriú

Advogado de Maringá suspeito de matar a namorada se entrega

Publicado por Redação GMC Online, 18:39 - 03 de Abril de 2019

O advogado de Maringá Paulo de Carvalho Souza, de 42 anos, foi preso nesta quarta-feira (3), depois de ficar mais de 24 horas ameaçando se jogar do prédio em que morava, em Balneário Camboriú, no litoral norte de Santa Catarina. Ele é suspeito de ter matado a namorada, Lucimara Stasiak, de 30 anos.


Depois que o crime foi descoberto, Souza se trancou na sacada do imóvel e a polícia passou a negociar a rendição. Desde as 18h de terça-feira (2), uma equipe especializada conversava com o advogado, que aparentava estar em um surto psicótico.

A polícia suspeita que a morte de Lucimara tenha acontecido na quinta-feira (28). Vizinhos começaram a desconfiar que algo tinha acontecido depois de perceberem o advogado entrando no prédio com vários sacos de gelo, provavelmente para conservar o corpo da vítima. Além da atitude estranha, a vizinhança decidiu chamar a Polícia Militar por causa de um cheiro forte, que saía do apartamento do casal.


Durante a tarde desta quarta-feira (3), negociadores da Polícia Militar chegaram a entrar no apartamento do casal, para se aproximar de Souza e tentar a rendição dele. Souza até ganhou uma garrafa de água.


O delegado Ícaro Freitas, responsável pelas investigações do assassinato, afirmou que quando o advogado se entregasse seria preso por ocultação de cadáver. O delegado explicou que como a morte  de Lucimara teria ocorrido na última quinta-feira (28), já não há flagrante pelo homicídio. Portanto ele trabalhava com a hipótese de feminicídio.


As informações são do portal NCS Total

Bloco de Imagem

Foto: Luiz Carlos Souza via NSC Total

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo