Fechar

Policial

Ex-sócios

Disputa por clientes teria motivado homicídio em Maringá

Publicado por Victor Simião/CBN Maringá, 10:41 - 08 de Julho de 2019

O empresário Hemerson Alaor Simoni Queiroz, de 32 anos, é o principal suspeito de assassinar André Rodrigo Thiago, de 39 anos. O crime aconteceu na quinta-feira (4). A vítima foi morta a tiros.


O suspeito se apresentou no sábado (6) à Polícia Civil de Maringá e está preso preventivamente, por 30 dias. Queiroz também entregou a pistola que teria sido usada no crime.


Agora, a Polícia segue com as investigações. O que se sabe até o momento é que os dois foram sócios na área de merchandising há cinco anos, com divulgação de produtos em supermercados. Eles romperam os negócios há algum tempo.


E a disputa por clientes teria motivado o homicídio, disse o delegado Luiz Henrique Vicentini.



“Depois de ouvidas as testemunhas identificamos que haja uma rixa entre o autor e vítima em relação à disputa de área de comercio, envolvendo disputa por clientes. Eles tiveram uma sociedade há cinco ano, dissolveram essa sociedade e passaram a trabalhar no mesmo ramos. E desde então eles vinham brigando e levando para o pessoal questões profissionais, que culminaram na briga de segunda-feira passada e no homicídio na quinta. Essa é a principal motivação no momento, mas que a gente espera esclarecer com mais detalhes quando o Hemerson der a versão dele”, afirma.



O delegado disse que no sábado Hemerson Queiroz decidiu ficar em silêncio. “(Ele) não quis apresentar explicações, mas disse que no decorrer da investigação, após o advogado ter ciência de todas acusações que são feitas, ele vai apresentar a versão dele. Ele já colaborou. Apresentou onde estava a arma de fogo. A Polícia Civil apreendeu o objeto, que já está na delegacia”, completou.

Bloco de Imagem

Foto: Divulgação/PC

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo