Fechar

Policial

Maringá

Laudo confirma transtorno mental em acusado de crimes no pensionato

Publicado por Carina Bernardino/CBN Maringá, 18:20 - 20 de Setembro de 2019

O resultado do exame de sanidade mental do preso Osvaldo Pereira Júnior, acusado de matar um estudante e ferir outros dois com uma faca em Maringá, ficou pronto nesta semana. O laudo do psiquiatra Mauro Porcu aponta que o acusado dos crimes no pensionato da zona 7 sofre de transtorno mental.


O exame, realizado no dia 2 deste mês no HU (Hospital Universitário de Maringá), foi solicitado pela Justiça para dar continuidade no processo criminal, que está suspenso. Segundo o diagnóstico psiquiátrico, Osvaldo Pereira Júnior sofre de transtorno de personalidade emocionalmente instável do tipo compulsivo, caracterizado pela tendência a agir de modo imprevisível e impulsivo que leva a violência e explosões comportamentais.


Ainda de acordo com o diagnóstico, o acusado também tem transtorno mental e comportamental devido ao uso de canabidiol (maconha). Pelo laudo de sanidade mental, o acusado é incapaz de entender ou compreender os crimes que cometeu ao atacar os moradores do pensionato.


Após pergunta do Ministério Público sobre o tratamento necessário para o acusado a curto prazo, o médico psiquiatra considera ser necessário até cinco anos de tratamento ambulatorial com medicação antipsicótica injetável, sem possibilidade de cura total do transtorno. Os crimes no pensionato da zona 7 de Maringá ocorreram em 17 de março.


O detido responde pela morte do estudante Orivaldo José da Silva Filho e por duas tentativas de homicídio. Ele está preso na CCM (Casa de Custódia de Maringá). P


or telefone à CBN, o advogado de defesa do acusado, Everton Caldeira, disse que não irá se manifestar sobre o caso antes de uma decisão judicial.

Bloco de Imagem

Foto: Divulgação/UEM

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo