Fechar

Política

Comissão

CPI do Transporte Coletivo ouve representantes da TCCC

Publicado por Carina Bernardino/CBN Maringá, 17:13 - 08 de Outubro de 2018

Bloco de Imagem

Foto: Carina Bernardino/CBN Maringá

Na tarde desta segunda-feira (8), a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Transporte Coletivo ouviu dois representantes da empresa Transporte Coletivo Cidade Canção (TCCC). A reunião foi na Câmara Municipal de Maringá e a CBN Maringá acompanhou.


Os depoimentos foram prestados pelo contador Mituo Itiroko, responsável pelo setor contábil, e pelo diretor executivo Roberto Jacomelli por mais de uma hora e meia. Os representantes foram questionados sobre cláusulas do contrato com a prefeitura, dificuldades financeiras e investimentos realizados no período. Jacomelli tentou esclarecer que o desequilíbrio financeiro do contrato com a prefeitura se difere da situação financeira da empresa.


A CPI é composta pelos vereadores Alex Chaves, presidente, Sidnei Telles, relator, e os membros Chico Caiana e Jean Marques. Na reunião, foram solicitados ofícios de balanços dos reajustes aplicados pela empresa até agora. Chaves diz estar satisfeito com os esclarecimentos.


Já o vereador Sidnei Telles acha que os esclarecimentos prestados não foram suficientes, principalmente sobre uma possível quebra de contrato com a prefeitura.


A CPI do Transporte Coletivo apura a atual situação econômica da empresa, contrato de concessão do serviço com a prefeitura, composição do valor tarifário e sua relação ao equilíbrio contratual e a existência de razões para ruptura do contrato firmado. A comissão começou os trabalhos em 9 de agosto e tem 90 dias para ser concluída, podendo ser prorrogada por mais 45 dias.


Na próxima segunda-feira (15), os vereadores irão decidir os próximos passos da CPI.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo