Fechar

Política

Maringá

Dez desafios para gestão Maia até o término do mandato

Publicado por Victor Simião/CBN Maringá, 18:56 - 30 de Setembro de 2019

O então candidato à Prefeitura de Maringá Ulisses Maia protocolou junto à Justiça Eleitoral um documento de 20 páginas, em 2016. Nele, estavam as metas e propostas da coligação “Inovação e Transparência”. Mil dias após o início da gestão do grupo à frente do Executivo Municipal, parte das promessas foi cumprida. Mas outra parte ainda segue no papel.


No sábado passado, dia 28, para marcar os mil dias de gestão, a Prefeitura de Maringá realizou uma grande ação. Nela, apresentou o trabalho que fez nesse período: inauguração da Avenida Carlos Borges, reforma no Centro de Ação Cultural, o andamento da construção do Terminal Intermodal (cujo projeto inicial veio da gestão anterior), reforma da praça de patinação, entre outras medidas. Das promessas feitas em 2016, o município também construiu uma casa para abrigar indígenas, tem corrido para aquecer as piscinas nos centros esportivos. A principal marca, talvez, seja a criação do vale-alimentação para os servidores.


Entretanto, faltando um ano e dois meses para o término da gestão, há itens no programa de Governo que não foram implementados. A CBN selecionou 10 propostas que ou não saíram do papel ou não foram realizadas da forma prevista.


Zerar fila de crianças para vagas em creche: o município tem tentado, mas não consegue. A proposta mais recente foi a de comprar vagas em instituições privadas. Ainda assim, mais de duas mil aguardam vagas;


Construção do Condomínio do Idoso: o município informou estar procurando terrenos para ação.


Criação de abrigo municipal para pernoite de pessoas em situação de rua: em entrevista à CBN Maringá, Ulisses Maia disse que o município já tem uma rede de assistência. Além disso, por conta da crise econômica no país, o número de pessoas que vai para a rua aumenta. A proposta para acabar com essa situação, também feita durante a campanha, não deve ser cumprida.


Construção de Ampla Biblioteca Municipal no Centro: atualmente o município paga aluguel pelas instalações da Biblioteca Bento Munhoz da Rocha. A Semuc procura um novo espaço desde o ano passado, mas nada ainda foi efetivado;


Linha ‘Corujão’ para as madrugadas: desde o início da gestão Ulisses Maia nenhuma medida nesse sentido foi tomada ou discutida publicamente;


Agenda pública de secretários: a agenda de Maia, também uma promessa de campanha, está divulgada e pode ser conferida no site da Prefeitura. Já a dos responsáveis pelas secretarias não.


Criação de Escola de Formação de Guardas Municipais: até o momento, nenhuma medida foi tomada nesse sentido. Por outro lado, o município revisou o estatuto e o plano de carreira desse grupo de servidores, itens registrados na proposta de campanha.


Transparência ao Mapa da Violência Para Planejamento de Ações: as informações relativas à segurança pública ficam na Secretaria. Não existe nenhum mapa público de violência disponível para a sociedade ou de fácil acesso;


Fila Zero para consultas especializadas: ainda é um gargalo para o município. Apesar dos mutirões feitos neste ano, 25 mil pessoas ainda aguardam.


Jornada de 30 horas para servidores da Saúde: não aconteceu e não deve acontecer. Conversas foram realizadas desde o ano passado, e para o município a medida é inviável no momento.


Em entrevista à CBN no sábado, Maia informou que não pensa em reeleição no momento em que tem muito a fazer até o término do mandato. Como principal meta até lá, citou uma obra que não está no plano de Governo: a construção de seis viadutos no Contorno Norte, projeto que tem se arrastado ao longo dos últimos anos.

Bloco de Imagem

Foto: Reprodução/Facebook

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo