Fechar

COLUNISTAS

A história da democracia nos condena

Player

Publicado por Gilson Aguiar, 10:05 - 02 de October de 2018

O Brasil desigual continua independente de nossas escolhas. O que as eleições não vão resolver é um projeto econômico que altere as relações econômicas do país. Nosso problema, que muitos consideram ser moral é, na prática, um passivo social construído ao longo do tempo. O país continua miserável. E a miséria é um problema em todos os sentidos. Uma imoralidade.


Os discursos de salvação nunca deixaram a miséria ser vencida. Ela é o porto seguro da permanência da espera por dias melhores. Como afirma Cacá Diegues, o Brasil que tanto se fala ser o país do futuro, nunca se lembra de que o futuro chegou e não trouxe a tão esperada redenção social. Porem, não há homem público que construa uma carreira de sucesso sem dizer que o futuro trará a superação dos nossos problemas.


Quando observamos a escolha do representante público, ela nunca vem sustentada por esta lógica, a permanência da miséria humana. Não buscamos compreender que há uma lógica no poder. Nossa economia livre, concorrência, de mercado, voltada ao estímulo da construção do potencial humano para a competição e iniciativa privada é destruída pela necessária dependência das mazelas públicas. Bolsa família, minha casa minha vida, a miséria subsidiada. Este é o nosso mal.


Por isso, talvez, os que propõem saídas fundadas em lógicas econômicas, em incentivo privado, em gestão eficiente, não encontram eco junto às classes populares. A realidade de nossas limitações não nos serve para escolha política. A retórica do patronato sempre se mantém. Esta é a verdade de manter a miséria. Ela é necessária para eternizar o discurso do país do futuro, da falta da imoralidade, da necessidade de eleger o “cabra macho” ou o santo abençoado, que nada resolve e tudo se mantém.


 

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo