COLUNISTAS

Nação autoritária

Player

Publicado por Gilson Aguiar, 08:11 - 07 de setembro de 2018

Ainda estamos devendo a nossa independência o seu significado, a emancipação do cidadão através do Estado. A construção da nação não foi uma ruptura com a metrópole colonial e a instituição de um governo representativo. Nascemos da “batuta” do Estado Monárquico Português.


A transferência da corte portuguesa em 1808, liderada pelo então Príncipe Regente Dom João, deu início a formação do Estado Nacional Brasileiro. Centralizando o poder em torno de uma monarquia estabelecida no Rio de Janeiro, a monarquia portuguesa organizou uma burocracia e iniciou a relação do Estado com o território e a sociedade. O monarca fez do poder central o determinante das forças locais.


As rebeliões ocorreram em alguns pontos do território. Movimentos pela independência buscavam a construção de uma nação. Mas o regionalismo emancipacionista não construiria a pátria que conhecemos hoje. O território se fragmentaria em diversas nações lideradas pelas elites locais, principalmente agrárias.


Foi o governo de Dom João que se impôs sobre as rebeliões localizadas. Conteve a ânsia local pelo poder e estabeleceu a obediência ao poder central. A estabilidade administrativa se deu pela força. Nossa formação integrada é autoritária, uma imposição e não uma escolha. Não nos fizemos grandes, nascemos grandes.


O autoritarismo do Estado manteve-se ao longo da história. A sociedade consolidou a percepção de que não estamos representados no poder, necessitamos dele. Para obter suas necessidades básicas, o povo submete-se ao poder estatal. Ele nos “salva”, mas também nos condena. Não participamos, ele se coloca como elemento de nossa vida, às vezes é o responsável por nos tirá-la.


Ainda não construímos a cidadania, ainda não tomamos o poder como cidadãos. Não exigimos nossos direitos, em grande parte, não os conhecemos. Logo, a independência está por se fazer.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo