Fechar

Maringá

Balanço

Diminui 10% número de reclamações no Procon de Maringá

Publicado por Nailena Faian, 15:36 - 07 de January de 2019

Bloco de Imagem

Procon de Maringá fica na Avenida Cerro Azul, 233, Zona 2. Foto: Divulgação/PMM

O número de reclamações no Procon de Maringá diminuiu 10,5% em 2018 no comparativo com o ano anterior. Foram 29.260 reclamações no ano passado, contra 32.703 em 2017. Os dados foram divulgados pelo Procon.


“Essa redução se deve há alguns fatores. A crise de 2017 foi maior que em 2018. Então em 2017 tivemos mais reclamações, porque a crise motiva mais queixas. O que ocorre também é que o consumidor está mais atento com seus direitos, reclama diretamente com quem comprou e consegue resolver o problema”, explica o diretor do Procon, Felipe Santos Martins.


O balanço de 2018 mostra que o setor de serviços continua sendo o campeão de reclamações. Nessa categoria entram queixas contra telefonia celular, telefonia fixa, escola, transporte e qualquer outra prestação de serviços. Conforme o levantamento, no ano passado foram registradas 14.421 reclamações contra 15.654 em 2017, redução de 7,87%.


"Telefonia móvel+fixa+internet+tv correspondem a cerca de 75% do volume nesse campo", diz Martins.


Em segundo lugar no ranking de reclamações continua a categoria assuntos financeiros, que engloba queixas contra bancos, cooperativas de crédito e agentes financeiros. Foram 8.492 reclamações em 2018 e, em 2017, 7.912, aumento de 7,3%.


Na sequência, quem aparece com mais reclamações é a categoria produtos, com 5.005 no ano passado. Em 2017, foram 4.039, aumento de 23%.

Bloco de Imagem

Fonte: Procon de Maringá

De acordo com dados do Procon, dos 29.260 atendimentos realizados em 2018, 88,73% foram resolvidos. Isso porque 94,65% das queixas foram resolvidas no primeiro atendimento e outras 2.922 se tornaram processos administrativos e somente 35,28% foram solucionados.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo