Fechar

Maringá

Nesta manhã

Mobilização de motoboys pede paz no trânsito

Publicado por Carlos Emori/CBN Maringá , 10:43 - 18 de Janeiro de 2020

Bloco de Imagem

Foto: Carlos Emori/CBN Maringá

Motofretistas e Motoboys de Maringá realizaram na manhã deste sábado, 18, uma mobilização pedindo um trânsito mais seguro e uma relação mais tranquila entre os motoristas.


O vice-presidente da Associação dos Motoboys de Maringá e Região, Everton Avancine, explica que uma declaração do secretário de Mobilidade Urbana, Gilberto Purpur, afirmando que os motociclistas eram os responsáveis pelos acidentes, gerou um desconforto na categoria. Para Avancine, todos tem responsabilidade pela paz no trânsito.


"Ele acabou generalizando e, por ser a pessoa pública que ele é, acabou jogando a sociedade contra a categoria. Não estou sendo hipócrita e dizendo que todos aqui são santos, mas acredito que o erro no trânsito é coletivo. Nós precisamos de uma conscientização em massa", avalia. 


Ainda segundo Everton Avancine, atualmente são cerca de quatro mil motoboys e motofretistas em Maringá. Parte deles não está regularizado na prefeitura, mas o vice-presidente da associação afirma que apesar da irregularidade, esses profissionais são importantes para o fortalecimento da economia local.


O diretor de Operações de Trânsito da Secretaria de Mobilidade Urbana de Maringá, Flávio Rodrigues, acompanhou a movimentação e auxiliou na divulgação da importância da regulamentação dos profissionais.


Para ele, é preciso haver um entendimento entre o poder público e os profissionais, já que todos tem o mesmo objetivo, que é a segurança no trânsito. "Nosso objetivo é orientar e dar apoio para a segurança do pessoal na manifestação para que tudo corra bem", diz. 

Bloco de Imagem

Foto: Carlos Emori/CBN Maringá

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo