Fale conosco
  • Ouça agora

    Maringá FM

    As mais tocadas da Maringá FM

  • Ouça agora

    CBN Maringá

    As mais tocadas da CBN Maringá

  • Ouça agora

    Mix FM Maringá

    As mais tocadas da Mix FM Maringá

  • Ouça agora

    CBN Cascavel

    As mais tocadas da CBN Cascavel

Portal GMC Online

Agora em Maringá

Ver próximos dias

Notícias

MOSTRA SP 2019 – DIA #3

A 43ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo segue com a sua extensiva programação, e aqui vão mais três resenhas de filmes que passaram por pelo menos um dos festivais mais prestigiados mundo afora. Tratam-se do bizarro título sueco “Koko-di Koko-da” (Festival de Sundance), do chinês que faz até pedra chorar “Até Logo, Meu Filho” (Festival de Berlim) e a coprodução Brasil e Estados Unidos, “Pacificado” (Festival de San Sebastián), ambientado na favela carioca Morro dos Prazeres.

KOKO-DI KOKO-DA
Origem: Suécia/Dinamarca
Direção: Johannes Nyholm

Em seu segundo longa-metragem, o diretor sueco Johannes Nyholm optou por um jeito bem irreverente e com os dois pés fincados no surrealismo para abordar o luto de uma família. Após a morte prematura da filha, os pais ficam absolutamente desolados. Anos depois, com o matrimônio desfalecendo por conta da tragédia, eles resolvem acampar. Entretanto, durante a viagem o casal vai enfrentar os seus principais medos, personificados em uma trupe de artistas sombrios que vagueiam pela floresta. O que era para ser um final de semana tranquilo se transforma em um terrível pesadelo.

A eficiência da direção é vital para tornar perturbadora a experiência de encarar “Koko-di Koko-da”. Transitando entre o terror e a comédia, o filme não abre concessões na violência gráfica e nem em “brincadeiras” pouco convencionais e totalmente anticlimáticas, como a inserção de animação no meio da trama ou o uso inventivo de recursos, como o flashback, que acabam por engrandecer a narrativa. Reservadas algumas medidas, estamos diante de um cruzamento bem realizado de David Lynch com o indigesto “Anticristo” (2009), de Lars von Trier. Apesar de toda a bizarrice e sadismo que invadem o desenvolvimento da história, no fim das contas, “Koko-di Koko-da” é sobre a aceitação dos eventos desagradáveis da vida, porém contado de um jeito doloroso e sem resquícios de misericórdia. Uma paulada.

 

ATÉ LOGO, MEU FILHO
Origem: China
Direção: Xiaoshuai Wang

Em três horas de duração, o acalentador “Até Logo, Meu Filho” atravessa três décadas acompanhando a vida de duas famílias em uma China marcada por mudanças sociais e políticas. Pela beleza intrínseca dos longos planos e admirável capacidade de absorção, o filme pouco entrega de sua história e o público é rapidamente abraçado pela reconstrução emocional do casal Yaojun e Liyun, após um incidente que levou a vida de seu único filho. Nas tentativas de encontrar um novo sentido para sua existência, marido e esposa – antes pai e mãe – percorrem um caminho cheio de mágoas, reconciliações e (auto)descobertas, cravados em um roteiro melancólico, de ritmo lento, mas que nunca solta a mão do espectador. Com abordagem delicada e minuciosa, é um desafio não se sensibilizar com a trajetória dos protagonistas, diretamente afetada por fatores externos que exprimem as transformações na China do final do século passado, sobretudo a vigência da Política do Filho Único.

“Até Logo, Meu Filho” assume as características de um épico intimista, liderado por duas atuações magníficas dos atores centrais, Jingchun Wang e Mei Yong, ambos premiados com merecimento no Festival de Berlim. O diretor Xiaoshuai Wang, pioneiro do cinema independente chinês nos anos 1990, concebe o filme mais ambicioso de sua carreira, tanto pela estrutura do roteiro que abusa de elipses ao desrespeitar a cronologia das passagens quanto pela crônica familiar expansiva em sentimentos. A fotografia assinada por Hyun Seok Kim é um deleite à parte.

 

PACIFICADO
Origem: Brasil/EUA
Direção: Paxton Winters

A trama de “Pacificado” se desenrola em meio ao programa de pacificação das favelas do Rio de Janeiro, colocado em prática em 2008 pela Secretaria de Estado. A adolescente Tati, de 13 anos, estuda de manhã e trabalha à noite como vendedora ambulante para incrementar a renda de casa, onde mora com a sua jovem mãe solteira. Um dia, sai da prisão e retorna a Morro dos Prazeres o ex-chefe da comunidade, Jaca, que antes assumia o controle do tráfico de drogas na região. Convencido a começar uma nova vida, longe da bandidagem que ronda a favela, Jaca e Tati se aproximam e nutrem uma inesperada comunhão de amizade.

Nem tudo funciona no roteiro escrito pelo norte-americano Paxton Winters, também responsável pela direção do filme. À medida que a trama avança, fica visível a necessidade de haver um conflito maior do que o já instalado. Com a entrada de outra facção na história, “Pacificado” se distrai e perde o rumo, inicialmente tão bem delineado nos conflitos da protagonista e seu olhar desconfiado às dinâmicas da favela.

Ainda assim, o retrato é convincente e os desempenhos do elenco são o grande chamariz, sobretudo a naturalidade da estreante Cassia Gil e Bukassa Kabengele, premiado na categoria Melhor Ator no Festival de San Sebastián, de onde “Pacificado” também saiu vencedor da Concha de Ouro, prêmio máximo do evento.

As mais lidas agora

Pagamento de até R$ 500 do FGTS para trabalhadores começa nesta sexta

O pagamento de até R$ 500 por conta do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) começa nesta sexta-feira (27) para os trabalhadores nascidos em maio, junho, julho e agosto com poupança ou conta-corrente na Caixa Econômica Federal. A Caixa Econômica Federal iniciou neste mês o depósito automático para quem tem poupança, seguindo calendário […]

Pagamento de até R$ 500 do FGTS para trabalhadores começa nesta sexta

O pagamento de até R$ 500 por conta do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) começa nesta sexta-feira (27) para os trabalhadores nascidos em maio, junho, julho e agosto com poupança ou conta-corrente na Caixa Econômica Federal. A Caixa Econômica Federal iniciou neste mês o depósito automático para quem tem poupança, seguindo calendário […]


Notícias

Tem luz e ajuda no fim do túnel

As medidas para evitar a propagação do coronavírus trouxeram grandes impactos aos varejistas maringaenses, mas também motivaram às empresas a serem ágeis na adoção de medidas para minimizar as dificuldades que surgiram.