Fechar

Política

por um ano

Prefeitura pretende pagar até R$ 629 mil por 'cafezinho'

Publicado por Nailena Faian, 16:13 - 02 de Abril de 2019

Bloco de Imagem

Foto: Pixabay

O brasileiro gosta tanto de café que a bebida está presente por todos os cantos. Além de tomar em casa ou em padarias, o cafezinho não falta em lojas e não poderia faltar também na Prefeitura de Maringá, local de muitas reuniões.


Nesta terça-feira (2), a prefeitura publicou licitação para aquisição de 57.200 pacotes de café de 500 gramas cada. A empresa vencedora deverá fornecer o produto, incluindo a logística de entrega. A prefeitura pretende pagar até R$ R$ 629.200 pelo serviço, sendo que o valor máximo unitário do produto não pode passar de R$ 11. O contrato com a empresa será de 12 meses.


Conforme o edital de licitação, o café será disponibilizado para autoridades e servidores dos Centros Municipais de Educação Infantil, escolas municipais, setores vinculados à prefeitura, além do Hospital Municipal e “todas as alas da saúde ocupacional que atendem diariamente a muitos usuários.”


O edital também justifica a quantidade de café licitada, que é baseada no quantitativo bruto de servidores da Prefeitura de Maringá, que hoje conta com cerca de 13 mil funcionários.


Segundo especifica o edital, “cada pessoa tem potencial de consumir, em média, 333,33 gramas de pó de café ao mês, desta forma, se for calculada esta mesma proporção pelo número de servidores, totalizará ao ano aproximadamente 52.000 quilos, que, se divididos em pacotes de 500 gramas, resultará em exatos de 104.000 pacotes." Portanto, a quantidade licitada é bem menor do que a prevista para consumo. 


A abertura dos envelopes com as propostas das empresas interessadas será no dia 17 de abril, na Diretoria de Licitações do Paço Municipal.


 

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo