Fale conosco
  • Ouça agora

    Maringá FM

    As mais tocadas da Maringá FM

  • Ouça agora

    CBN Maringá

    As mais tocadas da CBN Maringá

  • Ouça agora

    Mix FM Maringá

    As mais tocadas da Mix FM Maringá

  • Ouça agora

    CBN Cascavel

    As mais tocadas da CBN Cascavel

Portal GMC Online

Agora em Maringá

Ver próximos dias

Notícias

RICO OU MAL EDUCADO

Quem produz mais lixo? Parece uma questão difícil de resolver, mas acredito que temos uma pista substancial sobre a produção de lixo e sua relação ou não com a riqueza ou pobreza de um povo e sua educação ou deseducação.

Para isto vamos usar os dados da Abrelpe que recente publicou o Panorama 2018/2019 (1) , o Rendimento Domiciliar Per Capita – RMDPC publicado pelo IBGE e também o IDEB, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, criado em 2007, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Quanto ao IDEB, Talvez não seja o mais perfeito índice, mas acredito que seja o mais próximo do conceito de educação que queremos expor.

Alguns poderiam objetar e indagar porque não o IDH, Índice de Desenvolvimento Humano, com valores publicados pelo PNUD Brasil? Nós diremos que o IDH é mais amplo do que só educação, embora ela também seja uma variável considerada em seu cálculo. O IDH considera saúde, educação e renda. Como vamos comparar renda com educação, não dá para usar o IDH, porque ele não é só educação e a renda nós usaremos o RMDPC/IBGE. Mas, já adiantando um resultado, embora não consideramos o IDH, acabamos também fazendo um comparativo e ele confirmou o resultado que obtivemos com a comparação riqueza e educação.

Antes de tocarmos nas análises, precisamos esclarecer: para o resíduo sólido urbano (RSU) diferente dos demais resíduos que aborda, o Panorama não fez uma análise por estado, mas apenas por região do país. Isto trouxe uma dificuldade: se estados já não são homogêneos, imagine regiões. Mas decidimos trabalhar com isto. Por optar por regiões, fomos obrigados a fazer média da soma dos estados para termos índice regional quando tratamos do IDEB, RMDPC e também do IDH. Esclarecido, vamos à análise dos dados.

Segundo a Abrelpe, o Brasil em 2018 produziu por cabeça 1,039 kg/hab/dia, com um total de 216.629 t/dia. Por região temos o Norte produzindo 0,884 kg/hab/dia, o Nordeste produzindo 0,951 kg/hab/dia, Centro-oeste produzindo 0,990 kg/hab/dia, o Sudeste 1,232 kg/hab/dia e por fim, o Sul com 0,759 kg/hab/dia.

Como se pode ver o Sul (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul) são os que menos produzem resíduos sólidos urbanos, por outro lado o Sudeste (Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo) são os maiores produtores de resíduos sólidos do Brasil por cabeça. A diferença entre estas regiões é muito grande: são 0,473 kg/hab/dia, ou seja, o Sul produz o equivalente a 61,6% do que produz o Sudeste por kg/hab/dia.
Além da quantidade de resíduos sólidos urbano, o que diferencia a região Sul da região Sudeste?

Se olharmos para o rendimento nominal mensal domiciliar per capita da população residente nestas regiões vamos ter o seguinte retrato em 2018 (2): o Sul teve uma renda nominal mensal domiciliar per capita de R$1.657,00. O Sudeste teve uma renda nominal mensal domiciliar per capita de R$1.551,00. Se no Sul os estados são mais parecidos na renda, no Sudeste, há uma grande discrepância entre São Paulo, o mais rico, e o Espírito Santo, o mais pobre, derrubando assim a média do Sudeste.

Quando olhamos o IDEB, Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, referência 2017 (3), lembrando que o índice é bienal, considerado a média dos estados e apenas para o final do ciclo básico (8º/9º anos), veremos o seguinte: o Sul apresenta o índice 4.9 e o Sudeste 4.8 (4).

Como dissemos no início, também por curiosidade olhamos o IDH-M 2017 (5) (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal) publicado pelo PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento) e veja o que encontramos: região Sul 0,796 e região Sudeste 0,795 (6).

Olhando para os índices apresentados, vemos que a renda no Sul é em média R$100,00 superior a do Sudeste. Os índices de desenvolvimento da educação básica, são muito próximos, sendo melhor para a região Sul, 4.9, mas numa diferença não expressiva, já que o Sudeste apresentou 4.8. Se olharmos o IDH-M, que vai englobar renda, saúde e educação, também as distancias são muito próximas, com vantagem novamente para o Sul, mas uma vantagem na terceira casa decimal…

O que então nos revelam estes índices? Que não é a educação formal, que não é o poder aquisitivo ou grau de desenvolvimento humano baseado em saúde, educação e renda, que determinam a produção de resíduos. Isto é fato. Daqui para a frente faremos conjecturas.
Talvez o que determina a produção de resíduos tenha relação com uma consciência individual fruto de uma questão cultural. Esta cultura, que por si só, não é boa e nem ruim, já que todos somos brasileiros, é que distingue o Sul do Sudeste do país. O que dá uma personalidade própria para cada região deste enorme país.

O Sudeste sempre foi um grande ator nacional. A primeira vila portuguesa, São Vicente, foi no Sudeste estabelecida. O Sudeste embora sendo a segunda menor região do país, logo atrás do Sul, tem uma grande concentração de pessoas correspondendo a aproximadamente 40% da população nacional. Os três estados mais populosos da nação estão no Sudeste: São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Nela estão as duas megalópoles brasileiras: São Paulo e Rio de Janeiro. A região Sudeste é em parte a grande locomotiva da nação.

O Sudeste é eminentemente cosmopolita e sofre de todas as mazelas do cosmopolismo moderno, em especial o politicamente correto, o progressismo, entre tantas outras correntes de pensamento.

A imigração européia, como suíça, italiana, alemã, deu-se mais intensamente nos séculos XIX, o que permitiu com que os anos apagassem e mesclassem muito a cultura destes imigrantes, passando a revelar um valor abrasileirado.

O Sul é eminente agrícola e pastoril, embora não possa ser negada a força da sua indústria ligada ao cooperativismo e ao agronegócio. Recebeu muitos imigrantes no século XX, no ante e pós-guerra. Italianos, alemães, japoneses, espanhóis. E diferente do Sudeste, estes imigrantes, em especial os japoneses e alemães, mantiveram firmes suas raízes e tradições, mantendo uma postura que hoje se distancia de suas pátrias mães e se congela na história.
O Sudeste sofreu mais forte a migração nordestina do que o Sul. O Sul sofreu forte migração do Sudeste, com mineiros e paulistas.

Outro fato interessante, é que o Sul se põe, à nossa observação, mais conservador, no sentido estrutural, do que o Sudeste. Aquele modelo familiar, em especial nas médias e pequenas cidades ainda predominam. Há um visível apego à fé cristã.

Roger Scruton escreve que “o conservadorismo advém de um sentimento que toda pessoa madura compartilha com facilidade: a consciência de que as coisas admiráveis são facilmente destruídas, mas não são facilmente criadas. Isso é verdade, sobretudo, em relação às boas coisas que nos chegam como bens coletivos: paz, liberdade, lei, civilidade, espírito público, a segurança da propriedade e da vida familiar, tudo o que depende da cooperação com os demais, visto não termos meios de obtê-las isoladamente. Em relação a tais coisas, o trabalho de destruição é rápido, fácil e recreativo; o labor da criação é lento, árduo e maçante. Esta é uma das lições do século XX” (7).

Nós estamos propensos a crer que, no Sul, o conservadorismo tem predomínio em relação ao progressismo. A última eleição para presidente indicou isto, embora já há tempos o Sul vinha sinalizando este caminho.

O sentimento conservador afirma que o belo ainda é o antônimo de feio e o limpo é o antônimo de sujo. E o belo e o limpo podem andar juntos, mas não podem ser acompanhados de seus antônimos.

Nesta forma de ver a vida, a produção do lixo é algo mais inconsciente, menos pensado por assim dizer, é um costume de família que se executa naturalmente. Talvez o progressismo do Sudeste promova mais guerra ao canudo e menos uma postura contra o resíduo. É mais marketing de fastfood e ataque gratuito à liberdade.

O conservadorismo no Sul produza menos sobras de comidas, ou mais aproveitamento das sobras em sua própria casa.

É claro que há conservadores no Sudeste e progressistas no Sul. Não há hegemonia, mas talvez predominância nos costumes destas regiões. Com certeza, o norte e noroeste do Paraná tem muito do interior de São Paulo, e do migrante mineiro que veio plantar café. Mas este migrante, assim como nosso imigrante, não se modernizou, continuou com muito de suas raízes que trouxe para o Sul.

Isto é um pequeno ensaio e não um estudo científico, mas eu acredito que a nossa quantidade de lixo é mais cultural, mais metafísica, embora seu resultado prático é que nos transforma em mais sujos ou mais limpos. A diferença de 400 gramas de lixo dia por habitante é mais uma forma de viver a vida do que poder de compra ou educação formal, que aliás, está irremediavelmente perdida…

(1) Panorama 2018/2019, Abrelpe, São Paulo, 2019

(2) https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/23852-ibge-divulga-o-rendimento-domiciliar-per-capita-2018

(3) http://ideb.inep.gov.br/resultado/home.seam?cid=7653344

(4) Aqui a média seria 4.85, mas o IDEB só considera uma casa decimal, então mantivemos o 4.8

(5) https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_de_unidades_federativas_do_Brasil_por_IDH

(6) Aqui a média seria para o Sul 0,79566, e para mantermos apenas três casas após a virgula, arredondamos para 0,796 e o Sudeste 0,79525 e para mantermos apenas três casas após a virgula, arredondamos para 0,795

(7) Scruton, Roger. Como ser um conservador. Tradução de Bruno Garschagen. 1ª Ed. Editora Record, Rio de Janeiro/São Paulo, 2015, p. 10

 

Rogel Martins Barbosa, Advogado, Doutor em Direito dos Resíduos, professor do curso História dos Resíduos e autor de obras jurídicas, dentre as quais Política Nacional de Resíduos Sólidos – Guia de Orientação para Municípios.

As mais lidas agora

Pagamento de até R$ 500 do FGTS para trabalhadores começa nesta sexta

O pagamento de até R$ 500 por conta do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) começa nesta sexta-feira (27) para os trabalhadores nascidos em maio, junho, julho e agosto com poupança ou conta-corrente na Caixa Econômica Federal. A Caixa Econômica Federal iniciou neste mês o depósito automático para quem tem poupança, seguindo calendário […]

Pagamento de até R$ 500 do FGTS para trabalhadores começa nesta sexta

O pagamento de até R$ 500 por conta do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) começa nesta sexta-feira (27) para os trabalhadores nascidos em maio, junho, julho e agosto com poupança ou conta-corrente na Caixa Econômica Federal. A Caixa Econômica Federal iniciou neste mês o depósito automático para quem tem poupança, seguindo calendário […]


Notícias

Dia 06 – Dia do Amor

O que os números revelam sobre sua personalidade? E o que eles dizem sobre o seu futuro? Confira a numerologia de seu dia! Por Eliana Afõnso.