Fechar

Maringá

Zona 4

3 alunos de creche de Maringá são diagnosticados com meningite viral

Publicado por Monique Manganaro, com Assessoria de Imprensa , 07:49 - 05 de Junho de 2019

Bloco de Imagem

Foto: Adriana Toffetti/A7 Press/Folhapress

Três alunos de uma creche de Maringá foram diagnosticados com meningite viral, segundo informações divulgadas pela Prefeitura Municipal. De acordo com as secretarias de Educação e Saúde, as crianças estudam no Centro Municipal de Educação Infantil José de Anchieta, na Zona 4. Um quarto aluno está com suspeita da doença. 


"Como medida preventiva, as aulas serão suspensas por 72 horas a partir desta quarta, 5, nas duas salas frequentadas pelos alunos para realização de assepsia. Esse procedimento inclui limpeza com bactericida dissolvida em água e higienização com álcool a 70 graus", explicou, em nota, a prefeitura. 


Duas das três crianças seguem internadas, em observação. Os alunos têm 2 anos, conforme o comunicado. 


"O quadro clínico da meningite viral é semelhante ao das demais meningites agudas. Entretanto, o exame físico chama a atenção o bom estado geral associado à presença de sinais de irritação meníngea. Em geral, o restabelecimento do paciente é completo", disse a prefeitura. 


De acordo com a nota, os sintomas, geralmente, melhoram efetivamente em menos de uma semana. Quando a doença é decorrente do enterovírus, os principais sintomas que antecedem ou acompanham a meningite são: manifestações gastrointestinais (vômitos, anorexia e diarreia) e respiratórias (tosse, faringite).


"Quanto às ações de educação em saúde, professores e pais devem ser orientados sobre os sinais e sintomas da doença e, também, sobre hábitos, condições de higiene e disponibilidade de outras medidas de controle e prevenção."

Bloco de Imagem

Infográfico: Folhapress

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo