Fechar

Maringá

veja fotos e vídeos

Combate a incêndio em barracão ainda não tem hora para acabar

Publicado por Nailena Faian, 17:03 - 19 de Setembro de 2019

Há três dias bombeiros combatem um incêndio em um barracão localizado no Parque Industrial II, em Maringá. A informação é de que os trabalhos na fábrica de borracha ainda não têm hora para acabar.


Conforme a corporação, o fogo está contido e não há perigo de atingir imóveis vizinhos. No entanto, as chamas ainda não foram totalmente extintas em razão da borracha, um material altamente inflamável e que está provocando muita fumaça.


Na manhã desta quinta-feira (19), o plano do Corpo de Bombeiros era demolir o barracão para retirar o material inflamável. Porém, o tenente Alex Boni explicou que não foi possível fazer isso.



“O plano de demolição teve que ser abortado porque pela manhã, em virtude da chegada da chuva, a massa de ar empurrou a fumaça na direção onde aconteceria a operação. Então não tínhamos como fazer esse combate com a fumaça prejudicando a segurança e a saúde dos operadores. O plano B foi operar com guindaste no lado oposto ao terreno e agora temos os maquinários sem demolição fazendo a remoção e o rescaldo, que é esfriar esse material que está sendo remexido.”



Mais de 100 mil litros de água e mil litros de líquido gerador de espuma já foram utilizados no comabate ao incêndio. 


Segundo funcionários da empresa, a mangueira do gás de uma empilhadeira estourou e deu início ao incêndio, por volta das 13h15 dessa terça-feira (17), e as chamas acabaram se alastrando para o estoque.


Fotos e vídeos: Divulgação/Corpo de Bombeiros


 


Quer receber nossas principais notícias pelo WhatsApp? Se sim, clique aqui e entre no nosso grupo. Lembrando que este grupo é restrito a mensagens de administradores.

Bloco de Galeria
Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo