Fechar

Policial

Organização criminosa

Esquema tentou desviar R$ 60 milhões de agência bancária de Porto Rico

Publicado por Luciana Peña/CBN Maringá , 10:51 - 19 de maio de 2020

Bloco de Imagem

O delegado Guilherme Dias, de Curitiba, que veio acompanhar a ação policial em Maringá, falou sobre a investigação. Foto: Luciana Peña/CBN Maringá

O esquema que quase provocou um rombo de R$ 60 milhões na agência do Banco do Brasil em Porto Rico (a 170 quilômetros de Maringá) começou a ser investigado em setembro do ano passado. Foi a época em que o banco percebeu a movimentação criminosa. Quando o dinheiro foi transferido para contas de pessoas físicas e jurídicas, a polícia já estava no encalço dos suspeitos.


O dinheiro foi em seguida recuperado e o gerente da agência teve decretada uma medida cautelar diversa da prisão. Ele não pode entrar na agência e para sair de casa precisa comunicar o juízo.


O homem é suspeito de participar do esquema juntamente com um microempreendedor. Outras pessoas podem estar envolvidas e serão investigadas. Nesta terça-feira, 19, foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão em Maringá, Porto Rico e Loanda.


O delegado Guilherme Dias, de Curitiba, que veio acompanhar a ação policial em Maringá, falou sobre a investigação. Segundo ele, os investigados moram em Maringá e, por isso, mandados de busca e apreensão foram centralizados na cidade. 


"Essa investigação se iniciou com a comunicação por parte do setor de investigação interna do banco que nos informou sobre a transferência fraudulenta, e então nós passamos a monitorar a ação de toda essa quadrilha. Na data de hoje, nós cumprimos mandados de busca e apreensão expedidos pelo juízo de Loanda com o fim de apreender documentos, aparelhos eletrônicos que são utilizados nas fraudes para angariar senhas e conseguir consumar a transação multimilionária em favor dos criminosos", explicou o delegado. 


Segundo ele, os suspeitos se preparam por aproximadamente um ano para, efetivamente, conseguirem fazer os desvios.



"Primeiro, eles conseguem subtrair senhas de gerentes Brasil afora, que são utilizadas para acessar o banco remotamente. A partir daí, eles aliciam outros gerentes e outras pessoas para criar contas bancárias nas agências desses gerentes. Então, em dado momento, a pessoa vai até esse gerente que faz parte da organização criminosa, cria uma conta e um perfil bancário. Quando todas as senhas já estão em poder dos agentes, quando a conta bancária já está consolidada, eles realização essa transferência - que nesse caso específico foi de R$ 60 milhões e que foi imediatamente transferida para outras contas e empresas. Nesse período, tanto o banco quanto a polícia estavam monitorando a ação desses criminosos. E conseguimos recuperar todo o valor", afirma o delegado. 



Conforme destaca Dias, fraudes como essa acontecem diariamente, e não apenas no Paraná, mas também em outros estados brasileiros. "É um trabalho contínuo de investigação dessas fraudes que acabam causando prejuízos multimilionários para o banco e atingindo de forma indireta os correntistas. Nós temos indícios de que esses investigados consultavam as contas bancárias de correntistas de outras cidades, que não tinham relação nenhuma com aquela agência [de Porto Rico], e dias depois aquela mesma conta era objeto de fraude, vitimando correntistas", acrescenta o delegado. 


A reportagem da CBN Maringá não conseguiu contato com os advogados dos suspeitos.



Quer receber nossas principais notícias pelo WhatsApp? Se sim, clique aqui e participe do nosso grupo. Lembrando que apenas administradores podem enviar mensagens.


Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo