Fechar

Policial

polêmico

Fahur defende pena de morte ou 'pelo menos a prisão perpétua'

Publicado por Nailena Faian, 17:49 - 18 de Março de 2019

Bloco de Imagem

Foto: Divulgação

Na primeira reunião da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado, o deputado federal Sargento Fahur (PSD-PR) defendeu a pena de morte, mesmo o tema sendo uma cláusula pétrea, ou seja, artigo da Constituição Federal que não pode ser alterado. Ele também atacou Marcos Camacho, mais conhecido como Marcola e considerado o líder do PCC.



“Eu, particularmente, sou a favor da pena de morte. Porque nós perdemos o controle dos presídios, de dentro do presídio o criminoso continua cometendo crime, igual a esse desgraçado do Marcola. Esse cara está há 20 anos preso, 1.415 dias em regime diferenciado, na solitária, pervertido. Se for solto, vai voltar a cometer crime. Esse cara custa milhões de reais para o país [...]. Esse cara deveria estar morto e executado pelo Estado, falo isso sem nenhum dor na consciência porque é um cara que não tem conserto e como ele temos milhares no Brasil. Então nós temos que trabalhar no mínimo pela prisão perpétua”, justificou.



Em sua fala, Fahur defendeu também mais rigorosidade na punição dos menores infratores e o porte de arma. Ele também voltou a afirmar que não desgruda da arma nem quando vai ao banheiro.



“Eu conheço várias pessoas que salvaram suas vidas ou de terceiros graças a terem uma arma. Eu tenho duas pistolas na minha casa, se forçarem a porta da minha casa à noite, azar deles. E vou até no banheiro armado”, disse.



O deputado federal é famoso pelos seus pensamentos e frases polêmicas que costumam viralizar nas redes sociais. Nesta segunda-feira (18) ele postou em sua fanpage uma frase que já teve mais de 5 mil reações. "Bandido bom é bandido morto e derretido em ácido, que é para não sobrar nem os ossos dessa raça maldita, que inferniza o povo trabalhador", escreveu.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo