Fechar

Policial

Curitiba

Pai de jovem morta com papel filme enrolado na cabeça é preso

Publicado por Banda B, 10:08 - 17 de Abril de 2019

Bloco de Imagem

Foto: Banda B

O pai da jovem Jaqueline Carvalho dos Santos Gonçalves, 18 anos, morta por asfixia mecânica dentro de casa, no bairro Tatuquara, em Curitiba, foi preso pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Ele é suspeito de participar da morte da filha, em dezembro do ano passado. As informações são do Portal Banda B.


A mãe também foi levada para a delegacia, mas não há informações sobre a participação dela. Jaqueline foi encontrada com a cabeça enrolada em um papel filme, formando um capacete. Ela também estava com uma meia de lã na boca. Para a polícia, no dia da morte, o pai contou que encontrou a filha daquela maneira dentro do quarto.


A Polícia Científica foi acionada e recolheu diversos materiais na casa da família, na rua Ieda Cristina Ribeiro, no Moradias Santa Rita. Já no dia do crime, investigadores não encontraram marcas de arrombamento na casa e desconfiaram quando notaram que o mesmo papel filme usado na garota estava guardado na cozinha.


Um resultado de perícia importante para o inquérito era a digital do papel filme usado para enrolar a cabeça da menina. Depois da conclusão da morte – asfixia mecânica – a polícia aguardava esse ponto para seguir com as investigações. Há suspeita de que esse resultado tenha sido determinante para o pedido de prisão expedido pela Justiça do Paraná.


Cena alterada


Quando saiu da casa da família, no dia do crime, o delegado da DHPP, Osmar Feijó, disse à Banda B que a cena tinha sido alterada, já que – na versão do pai – ao encontrar a menina enrolada com o filme, rasgou e tirou o plástico, na tentativa de fazê-la voltar a respirar.


Leia a reporragem completa na Banda B.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo