Fechar

Política

Embaixada nos EUA

Bolsonaro sobre Eduardo: 'Se está sendo criticado, é porquê é o certo'

Publicado por Folhapress, 15:12 - 15 de Julho de 2019

Bloco de Imagem

Foto: Reprodução/Instagram

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) rebateu nesta segunda-feira (15) as críticas recebidas pela indicação do filho Eduardo à embaixada do Brasil nos Estados Unidos e afirmou que isso significaria que a escolha feita foi acertada.



"Por vezes, temos tomado decisões que não agradam a todos, como a possibilidade de indicar para a embaixada um filho meu, tão criticada pela mídia. Se está sendo tão criticado, é sinal de que é a pessoa adequada", afirmou, em sessão solene no plenário da Câmara dos Deputados em homenagem ao aniversário do Comando de Operações Especiais do Exército Brasileiro.



Na última quinta (11), o presidente anunciou a intenção de indicar Eduardo, deputado federal, ao posto.
Segundo ele, o filho fala inglês com fluência, tem boa relação com a família do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e "daria conta do recado perfeitamente".


Ao responder sobre suas qualificações para assumir um dos mais importantes postos na diplomacia brasileira, Eduardo, na sexta (12), disse ter feito intercâmbio nos Estados Unidos e que "fritou hambúrguer no frio do Maine".


Representantes da oposição na CRE (Comissão de Relações Exteriores) do Senado, colegiado que aprova ou rejeita nomes de embaixadores indicados pelo Palácio do Planalto, contestaram a possibilidade.


Eles dizem se tratar de nepotismo e alguns membros afirmaram que a indicação desrespeita a carreira diplomática.


Nesta segunda, o presidente voltou a falar sobre sua sucessão, mas sem mencionar quando isso ocorreria -em festa junina no clube naval de Brasília, no início do mês, sugeriu que isso só ocorreria em 2026. "A nossa missão é entregar no futuro, para quem vier nos suceder, um Brasil melhor do que o nosso."


Depois de ressaltar que respeita todas as instituições, Bolsonaro afirmou que está resolvendo os problemas do país com os parlamentares.



"O Brasil precisa de uma quimioterapia para que ele não pereça. Estamos fazendo juntos essa quimioterapia. Alguns poucos, pouquíssimos, ainda reagem. Mas serão convencidos pelo povo e pela maioria dessa casa, deputados e senadores", afirmou. "Nós juntos poderemos, sim, mudar o destino do Brasil. Sou mais ousado: mudaremos o destino do Brasil."



A comissão de direitos humanos da Câmara foi qualificada pelo presidente como "uma trincheira muito violenta e explosiva na qual o governo vai começar a mostrar que os maiores bens do país são os valores familiares". "Uma família estruturada, ela é paz em casa e sucesso para uma nação."


Mais tarde, durante o discurso da deputada Carla Zambelli (PSL-SP), Eduardo Bolsonaro fez um aparte e afirmou que os embates na comissão de direitos humanos deram notoriedade ao presidente.


"E agora não é só o senhor e o Marco Feliciano naquelas batalhas na comissão dos direitos humanos", disse. "Vossa excelência não é mais uma voz sozinha aqui, estamos ao seu lado."


No discurso, Bolsonaro elogiou seus ministros militares. Sobre o general Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo), disse. "Você daqui a pouco ia dizer 'era feliz e não sabia'."


Sobre o ministro-chefe da Advocacia-Geral da União, André Mendonça, Bolsonaro voltou a dizer que ele era "um ministro terrivelmente evangélico, assim como nós somos terrivelmente patriotas." Na semana passada, Bolsonaro sugeriu que Mendonça seria um bom nome para o STF (Supremo Tribunal Federal).


Na saída da solenidade, o ministro da Secretaria-Geral, Jorge Oliveira, disse que o presidente ainda não bateu o martelo sobre a indicação de Eduardo, mas considerou que o fato dele ser filho de Bolsonaro é justamente o que o credencia para a função.


"A representação diplomática é uma responsabilidade grande, mas ela se faz com uma credencial. E ele tem uma credencial junto ao pai, que é o presidente, o que é muito significativo", disse. "O principal que eu vejo é o credenciamento que ele teria por ser, obviamente, o filho do presidente", ressaltou.


​O ministro elogiou o deputado federal, de quem já foi chefe de gabinete. Segundo ele, com a ajuda de uma boa assessoria, a sua nomeação "poderia ser de fato positiva para o país".


"Eu respeito a visão de quem entende de que haja nepotismo, mas eu discordo, porque se trata de um cargo político", disse. "Um vínculo familiar não pode ser impeditivo para que a pessoa possa despenhar a sua função", acrescentou.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo