Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso site, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar nosso portal, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

21 de junho de 2024

Empresas têm até 30 de maio para se cadastrar no Domicílio Judicial Eletrônico


Por Luciana Peña/CBN Maringá Publicado 29/04/2024 às 16h39
Ouvir: 00:00
image-91-22
Foto: Agência CNJ de Notícias

O Domicílio Judicial Eletrônico é uma ferramenta digital que concentra todas as comunicações emitidas pelos tribunais brasileiros dentro de processos judiciais. Neste primeiro momento, apenas as empresas de pequeno porte não precisam aderir à plataforma.

A advogada Patrícia Frizzo explica que caso não haja cadastro na plataforma até 30 de maio, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) irá utilizar as informações da empresa na Receita Federal, que podem estar desatualizadas.

É importante também uma gestão da plataforma, porque quando uma intimação for lida, o prazo começa a valer independentemente de quem abriu a comunicação primeiro, um funcionário ou o advogado da empresa.

O Domicílio Judicial Eletrônico é uma plataforma do Conselho Nacional de Justiça, parte da implementação da justiça 4.0, que visa uma constante integração da tecnologia e do meio digital nas relações jurídicas. Agora, é chegada a vez do próprio empresário efetuar o cadastro e inserir os dados de sua empresa nessa plataforma. O objetivo é que esta se torne um canal de comunicação direto com o poder judiciário. Assim, atos que antes eram realizados presencialmente por um oficial de justiça, como a entrega de intimações, serão agora conduzidos eletronicamente através do Domicílio Judicial Eletrônico”, explica a advogada Patrícia Frizzo. Confira abaixo a entrevista completa.

Essa adesão é boa ou ruim?

R: A gente tem uma certa preocupação porque tudo que é novo causa uma certa insegurança. Ainda não sabemos na prática como isso vai acontecer, apesar de atendermos às referências manuais do próprio Conselho Nacional de Justiça. A própria empresa será responsável pela gestão da leitura dessas intimações, o que exigirá uma atenção redobrada por parte das empresas no cadastro dos perfis de quem acessar essa plataforma de comunicação. Isso é crucial para evitar perda de prazos processuais.

Anteriormente, tínhamos o oficial de justiça batendo à porta da empresa para informar ao empresário sobre processos e a necessidade de providenciar defesa. Agora, isso ocorre por meio da plataforma eletrônica do Domicílio Judicial. Portanto, há o risco de perda de prazos devido à gestão dessa plataforma. É necessário um alinhamento estratégico com o advogado que representa a empresa para garantir uma orientação eficaz sobre a administração dessa plataforma. Por exemplo, em caso de citações, se não houver abertura da citação eletrônica, teremos automaticamente três dias de prazo após a postagem. Isso é crucial, pois a empresa já terá seu prazo de defesa em curso. Sem um alinhamento e uma comunicação direta do advogado, a empresa sofrerá prejuízos devido à falta de exercício do direito de defesa.

É importante ressaltar que nesta plataforma as intimações dos processos também serão enviadas. Quem fizer a leitura dessas intimações primeiro terá o início da contagem do prazo, o que reforça ainda mais a necessidade de uma estratégia de alinhamento e gestão eficiente da plataforma para evitar riscos e prejuízos nas ações judiciais das empresas.

Essa plataforma vale para toda a empresa de qualquer tamanho?

R: Neste primeiro momento, as empresas de pequeno porte estão dispensadas da obrigatoriedade de adesão à plataforma, sendo facultativa a sua opção de aderir. Embora haja uma orientação para que o façam, as únicas exceções são essas empresas e as pessoas físicas. Todas as outras empresas devem se cadastrar na plataforma. É importante ressaltar que, caso o cadastro não seja realizado até o dia 30 de maio, o CNJ utilizará as informações cadastradas na Receita Federal, que muitas vezes podem não estar atualizadas, e enviará para o e-mail registrado no momento do cadastro do CNPJ na Receita Federal. Portanto, é crucial que as empresas acessem o site do CNJ em www.cnj.jus.br e façam o download do programa para gerenciar isso. Caso contrário, a partir do dia 30 de maio, esse cadastro será feito automaticamente utilizando a base de dados da Receita Federal, que frequentemente não está atualizada ou não chega à pessoa adequada para receber a comunicação.

As empresas são processadas por que e por quem?

R: Todas as demandas, absolutamente todas, de natureza tributária, civil, do juizado especial e aquelas demandas frequentemente intentadas pelo fisco contra a empresa ou relacionadas a dívidas tributárias, devem ser submetidas à intimação e citação via eletrônica nesta plataforma. Não há exceção alguma. Inclusive, vários tribunais de justiça já aderiram a esta plataforma digital e realizam a comunicação de todos os atos processuais por meio dela. Portanto, qualquer processo de natureza judicial, que esteja sob a jurisdição do judiciário, estará sujeito à intimação e citação via plataforma no domicílio judicial eletrônico.

Até a ação trabalhista?

R: Inclusive as ações trabalhistas estão incluídas, pois estamos presenciando a transição dos tribunais para o Domicílio Fiscal Judicial, ou seja, para o Domicílio Judiciário Eletrônico. Após o cadastro qual é o próximo passo? Os tribunais, à medida que adotam esse sistema de intimação, passam a realizar intimações por meio desse sistema. Por exemplo, atualmente, temos uma grande quantidade de tribunais em vários estados já integrados a essa plataforma. Portanto, isso também depende de qual estado e qual tribunal já aderiu a esta plataforma. A única exceção são as intimações do Supremo Tribunal Federal, que ainda não se submetem a esta plataforma.

Entenda um pouco mais sobre a plataforma no vídeo abaixo com a advogada Patrícia Frizzo

Pauta do Leitor

Aconteceu algo e quer compartilhar?
Envie para nós!

WhatsApp da Redação