Fechar

Maringá

Numape

UEM faz atendimento virtual às mulheres vítimas de violência

Publicado por Redação GMC Online, 19:38 - 02 de abril de 2020

Bloco de Imagem

Foto: Ilustrativa/Pixabay

Os casos de violência contra a mulher aumentaram cerca de 15% em Maringá nos últimos 13 dias, período de isolamento social decorrente da pandemia da Covid-19. São ameaças, injúrias, difamações, perturbação de tranquilidade, vias de fato e lesão corporal, segundo a delegada responsável pela Delegacia da Mulher, Luana Lopes.


O Núcleo Maria da Penha (Numape) de enfrentamento à violência doméstica, da Universidade Estadual de Maringá (UEM), continua realizando atendimento. Neste período de isolamento social, o suporte é realizado de forma virtual.


Além de informações e orientações às mulheres em situação de violência doméstica, familiar e de gênero, o Numape presta atendimento jurídico e psicossocial.


O atendimento é realizado de segunda-feira à sexta-feira, das 9h às 15h, via Whatsapp (9 8408-6305); via Facebook (Numape UEM), por meio do Messenger; ou por meio do e-mail ([email protected]).


Quando a mulher é vítima de lesão corporal, estupro e tentativa de feminicídio, a Delegacia da Mulher está realizando Boletim de Ocorrência (BO) de forma presencial. Nos demais casos, há um formulário para ser preenchido e enviado por e-mail. Também por meio deste, a mulher pode solicitar uma medida protetiva contra o agressor.


O boletim de ocorrência também pode ser realizado via aplicativo da Polícia Militar e, em situações de emergências, a mulher deve entrar em contato com a Patrulha Maria da Penha, pelo 153, que funciona 24 horas.



Quer receber nossas principais notícias pelo WhatsApp? Se sim, clique aqui e participe do nosso grupo. Lembrando que apenas administradores podem enviar mensagens.


Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo