Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso site, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar nosso portal, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

18 de maio de 2024

Relembre outros casos em que cadáveres foram levados a bancos


Por Metrrópoles, parceiro do GMC Online Publicado 17/04/2024 às 15h19
 Tempo de leitura estimado: 00:00
casos
Foto: Reprodução.

Uma mulher foi presa em flagrante nesta terça-feira, 16, após levar um cadáver a uma agência bancária com o objetivo de fazer um empréstimo de R$ 17 mil, em nome do homem morto. O caso aconteceu em Bangu, no Rio, e ganhou os noticiários de todo o país.

A mulher foi identificada como Érika de Souza Vieira Nunes. À polícia, ela disse que era cuidadora e sobrinha de Paulo Roberto Braga, de 68 anos. Ao levar o idoso na agência, os funcionários do banco suspeitaram do caso, filmaram a situação e acionaram as autoridades.

A mulher chegou a simular diálogos com o idoso, que, segundo o Samu, estava morto há horas. A polícia investiga o crime de furto mediante fraude ou estelionato.

Apesar da repercussão do caso, esta não foi a primeira vez que alguém levou uma pessoa morta a uma agência bancária, com o objetivo de cometer uma fraude. Relembre alguns casos:

Recebimento de benefícios

Em março de 2021, na tentativa de receber os benefícios do ex-marido, uma mulher – cuja identidade não foi revelada – levou o idoso já morto a uma agência bancária, no Setor Leste Vila Nova, na capital goiana. A situação curiosa chamou a atenção do gerente do banco que acionou a Polícia Militar (PMGO).

Segundo informações iniciais da PM, a mulher foi ao banco e colocou o ex-marido em uma cadeira de rodas, virado de costas para o atendente e tentou sacou o dinheiro do homem. O caso ocorreu em uma agência do Bradesco.

À época, o portal Mais Goiás teve acesso ao vídeo da câmera de segurança do local, que mostra a vítima já prostrada na entrada da agência bancária.

Veja as imagens aqui. O gerente, que suspeitou da forma como o idoso estava posicionado na cadeira de rodas, entrou em contato com a PM e com o Corpo de Bombeiros, sobre um possível óbito no interior da agência. Com a movimentação, a mulher fugiu do local.

Ao Metrópoles, o Corpo de Bombeiros informou à época que foi acionado para a ocorrência e, no local, foi constatado o óbito, de forma natural, por parada cardiorrespiratória, provocada por um mal súbito.

‘Prova de vida’ do cadáver

Em outubro de 2020, um mulher também levou um idoso morto em uma cadeira de rodas até uma agência bancária para a prova de vida, na região central de Campinas (SP). O objetivo da suspeita era fazer a prova de vida e tentar sacar a aposentadoria do homem, um ex-escrivão de 92 anos.

O caso ocorreu em uma unidade do Banco do Brasil no dia 2 de outubro e foi descoberto após a mulher, na tentativa de apressar o atendimento, dizer que o suposto companheiro estava passando mal.

Por conta disso, o Corpo de Bombeiros foi acionado e constatou que o senhor já estava morto que o óbito teria ocorrido havia algum tempo.

Leia a matéria completa no Metrópoles.

Pauta do Leitor

Aconteceu algo e quer compartilhar?
Envie para nós!

WhatsApp da Redação
Geral

Escritores se unem em novo livro de poesias sobre as enchentes no RS; saiba mais


A editora gaúcha Bestiário está lançando uma antologia de poemas dedicada às vítimas da tragédia no Rio Grande do Sul….


A editora gaúcha Bestiário está lançando uma antologia de poemas dedicada às vítimas da tragédia no Rio Grande do Sul….