Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso site, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar nosso portal, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

21 de fevereiro de 2024

Vereadores de Maringá rejeitam projeto que criava Rota da Diversidade


Por Brenda Caramaschi CBN Maringá Publicado 09/02/2024 às 16h54
 Tempo de leitura estimado: 00:00
image-22-14
Foto: Marcello Camargo/Agência Brasil

Depois de quase três anos de ter rejeitado a criação do Conselho Municipal de políticas públicas para a população LGBTQIA+, a Câmara dos Vereadores de Maringá votou contra um projeto que implantaria a Rota da Diversidade, de autoria da vereadora Professora Ana Lúcia. O objetivo seria criar uma rede de estabelecimentos comerciais apoiadores da comunidade LGBTQIA+.

A ideia do projeto era que os estabelecimentos comerciais que desejassem, se credenciarem em um cadastro municipal sinalizando que este público é bem-vindo. A vereadora autora explica que o projeto visava promover acolhimento e proteção dessa comunidade e demonstra decepção com o resultado na Câmara. 

“É um projeto muito bacana que tem tudo a ver com a melhor cidade do Brasil para se viver, imagem de uma cidade moderna e que vai criando um ambiente muito amigável e acolhedor para os mais diversos públicos consumidores. Trata-se de um cadastro que a prefeitura iria implantar em que as empresas e os estabelecimentos comerciais desejassem poderiam se credenciar e receber e fazer parte de uma lista, se colocando como uma empresa acolhedora. É lastimável que Maringá não tenha hoje essa oportunidade de realizar essa prática inclusiva”, afirma.

O projeto foi rejeitado por 10 votos a 4. Apenas votaram a favor os vereadores Doutor Manoel, Mário Verri e Adriano Bacurau, além da autora do projeto.

Doutor Manoel é autor da lei maringaense de combate à homofobia, aprovada em 2010, e em 2021, foi favorável à criação do Conselho Municipal de políticas públicas para a população LGBTQIA+, que foi rejeitado pela Câmara. Ele comenta a rejeição da Rota da Diversidade.

“Acho que na época em que aprovamos a cidade estava mais evoluida porque conseguimos aprovar. Agora não se consegue mais aprovar nem o conselho e nem a rota, por exemplo. Por isso, enquanto existir uma sociedade preocupada mais com o cabelo do que a cabeça, não vamos sair para lugar nenhum”, afirma.

O vereador Sidnei Telles foi um dos que votaram contrários à aprovação e defende seu posicionamento. “Eu votei contrario ao projeto da Rota da Divesidade, um projeto que vem sendo tranmitado na Câmara do Vereadores há um tempo e temos discutido ele. Achamos que neste novo tempo é importante que nós ofereçamos condições para melhorar o turismo da cidade e o que me fez votar ao contrário é que o projeto de lei estabelece um cadastro das empresas, além de promoção de vários eventos que envolvam essas empresas e um selo que a empresa teria que colocar em seu estabelecimento e todos os empresários se esforçam para atender todos os segmentos”, diz.

Ouça a reportagem completa na CBN Maringá.

Pauta do Leitor

Aconteceu algo e quer compartilhar?
Envie para nós!

WhatsApp da Redação