Fechar

Maringá

Compras

Consumidores devem pesquisar preços antes da Black Friday

Publicado por Carina Bernardino/CBN Maringá, 15:31 - 07 de Novembro de 2019

Consumidores devem pesquisar preços antes da Black Friday. A orientação é do Procon de Maringá, que já identificou irregularidade em uma loja que antecipou a campanha promocional. A data oficial é na última semana de novembro, no dia 29. Ou seja, para fazer ‘boas’ compras, o consumidor tem que pesquisar muito, só assim será possível comprar produtos abaixo dos preços que normalmente são comercializados. O alerta é diretor do Procon, Geison Fernandi.


"O consumidor já deve estar monitorando o produto que pretende adquirir, anteriormente à Black Friday, pois muitas começam a subir o preço dessas mercadorias cerca de uma ou duas semanas antes da data oficial, e depois dá um 'pseudo-desconto', como se estivesse fazendo um grande negócio para o cliente", comenta o mandatário.


O diretor também alerta quanto à taxas e acréscimos de pagamento para compras parceladas. "É importante verificar o valor dos juros que o consumidor irá pagar comprando um produto no cartão de crédito, por exemplo. O PROCON de Maringá já constatou, em uma grande rede de lojas, produtos que antes da Black Friday custavam, em media, R$ 100,00, e durante a promoção, com o 'pseudo-desconto' anunciado de 30%, eram vendidos à R$ 130,00", declarou Geison. 


Entre os dias 16 e 23, o Procon fará uma campanha de orientação para a Black Friday em horário comercial na Avenida Brasil, esquina com a Avenida Getúlio Vargas. Serão distribuídas cartilhas que ajudam os consumidores a analisar promoções.


Ouça a reportagem completa na CBN Maringá.

Bloco de Imagem

Foto: Agência Brasil

Quer receber nossas principais notícias pelo WhatsApp? Se sim, clique aqui, e encaminhe uma mensagem informando o seu nome.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo