Fechar

Policial

Caso Sevilha

Viúva de auditor fiscal é ouvida no julgamento

Publicado por Victor Simião/CBN Maringá, 08:10 - 24 de Agosto de 2019

A viúva do auditor fiscal José Antônio Sevilha, Mariângela Sevilha, começou a ser ouvida no julgamento do caso. Ela é a sexta testemunha de acusação. A fala dela teve início na tarde dessa sexta-feira (23), quando foi questionada pelo juiz e pelo Ministério Público Federal.


Por volta das 17h30, a defesa de um dos réus, que começaria a fazer perguntas, pediu para que o auditório do tribunal se ausentasse. É que um áudio seria apresentado, e para evitar possíveis constrangimentos essa decisão foi tomada.


A CBN esteve na Justiça Federal durante o início da noite e até por volta das 19h ninguém pôde entrar no local de julgamento.


Havia a previsão de que a filha da vítima prestasse o depoimento ainda nesta sexta-feira. Ela é a última testemunha de acusação. Nesta sexta um homem também foi ouvido.


Neste sábado (24) devem ser ouvidas as quatro testemunhas de defesa.


Julgamento


O julgamento do assassinato de José Antônio Sevilha ocorre desde terça-feira (20). Ele foi morto a tiros em 2005, aos 45 anos. Cinco pessoas foram denunciadas. Três homens se tornaram réus.


Estão sendo julgados o empresário Marcos Gottlieb, proprietário de uma empresa que estava sendo investigada pelo auditor e apontado como mandante do crime; Fernando Ranea, que seria o executor; e Moacyr Macêdo, que teria aproximado os dois.


Outros dois homens foram indiciados, porém um nunca foi localizado e outro morreu durante cumprimento de pena pelo crime de sequestro. Os réus são acusados pelo crime de homicídio qualificado, e a pena varia de 12 a 30 anos de reclusão. O empresário Marcos Gottlieb está preso preventivamente desde maio deste ano.


Sevilha investigava a empresa Gemini, uma importadora de brinquedos, que tinha dívidas milionárias com a Receita Federal.


As defesas dizem que os réus são inocentes.


Pela investigação da PF, o crime foi planejado com antecedência. No dia do homicídio, Sevilha deixava a casa da mãe quando parou o carro por conta de um pneu que teria sido furado por um dos réus. Na sequência ele foi assassinado a tiros.


15 pessoas tinham sido chamadas para testemunhar no julgamento. Mas por motivos diversos, quatro foram liberadas.


Os réus não assistiram aos depoimentos de três testemunhas, a pedido delas – algo que é previsto em lei.

Bloco de Imagem

Foto: Victor Simião/CBN Maringá

Quer receber nossas principais notícias pelo WhatsApp? Se sim, clique aqui, e encaminhe uma mensagem informando o seu nome.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo