Fechar

Política

Ataque

Suspeito de esfaquear Bolsonaro foi filiado ao PSOL

Publicado por Folhapress, 17:52 - 06 de Setembro de 2018

Bloco de Imagem

Suspeito (sem camisa) de ter esfaqueado o candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, é detido por seguranças e policiais. Foto: Guilherme Leite/Folhapress

Suspeito de ter esfaqueado Jair Bolsonaro (PSL), Adelio Bispo de Oliveira, 40, foi filiado ao PSOL de Uberaba (MG) de 2007 a 2014, segundo relação de filiados políticos do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). De acordo com esses registros, ele pediu desfiliação há quatro anos e não consta ter aderido a outra sigla.


Na página no Facebook, ele tem várias postagens críticas a Bolsonaro. Há também fotos contrárias a Temer.  Juliano Medeiros, presidente nacional do PSOL, afirmou não ter conhecimento sobre a filiação, mas que ainda está se inteirando do assunto. O partido divulgou nota condenando o ataque a Bolsonaro.


Bolsonaro pediu segurança da PF, prevista em lei para candidatos


O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ), vítima de um ataque em Juiz de Fora (MG) nesta quinta-feira (6), foi um dos primeiros candidatos à Presidência a pedir à Polícia Federal, ainda no começo da campanha eleitoral, a segurança prevista em lei.


Os candidatos é que solicitam a segurança da PF, de acordo com os eventos de que precisam participar.


Segundo a PF, nem todos os candidatos têm o costume de pedir o apoio dos policiais federais. A segurança proporcionada pela PF aos candidatos é assegurada em lei e cumprida por uma coordenação de defesa institucional vinculada à diretoria-executiva da direção geral da PF em Brasília.


Em nota nesta quinta-feira (6), a PF confirmou que Bolsonaro utilizava segurança da PF no momento em que foi atacado por um homem armado com uma faca em Juiz de Fora.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo