Fechar

COLUNISTAS

A (i)mobilidade urbana e as cidades caminháveis

Publicado por Engenharia Urbana - Diego Sanches, 17:00 - 01 de abril de 2019

As cidades brasileiras cresceram em uma velocidade maior à sua capacidade de planejamento. Empregos e serviços concentram-se nas regiões centrais, enquanto a periferia tem uma densidade populacional cada vez maior. Grande parte dessa população precisa de transporte público, que geralmente é de baixa qualidade. Enquanto isso, a isenção de impostos para compra de carros prioriza o transporte motorizado individual. Tudo isso alimenta um grande círculo vicioso, em que nossas cidades ficam cada vez mais “travadas” e nós, dependentes dos automóveis.
E o que podemos fazer para quebrar esse círculo vicioso? A resposta é complexa e passa pela redução da desigualdade social, políticas do uso do solo, uso de inovações tecnológicas, e integração entre os níveis de governo e o setor privado.

Bloco de Imagem 1

Exemplo de trecho caminhável

Uma das formas de melhorar a mobilidade das nossas cidades é torná-las melhores para se caminhar. Além disso, cidades que investiram em planos de mobilidade urbana voltados à pedestres, tiveram muitos outros benefícios, como aponta o relatórios “Cities Alive: Towards a a walking world” ou “Cidades Vivas: Rumo a um mundo caminhável”, em tradução livre.
São eles:
• Saúde e bem estar - Pessoas fisicamente ativas vivem mais. Andar na cidade também traz benefícios para a saúde mental, pois diminui o risco de stress, ansiedade e depressão, e dá boas chances de um sono melhor.
• Segurança - De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), 270 mil pedestres perdem a vida anualmente no mundo todo em acidentes de carro. A diminuição do uso dos automóveis com certeza pode impactar esses trágicos números. Além disso, quanto mais pessoas andando na rua, maior é a sensação de segurança da população. No lugar de investimentos em sistemas de vigilância, teremos os “olhos da rua”.
• Igualdade e coesão social - Todos são pedestres. Mesmo os que dirigem e/ou usam transporte público, em algum momento atravessam a rua. Andar é o meio de transporte mais acessível e democrático. Acontece um impacto positivo também na socialização, pois andar mais encoraja a interação entre as pessoas, despertando o senso de comunidade.
• Economia local - O uso do carro favorece o comércio estruturado em shoppings centers. Uma rede urbana caminhável favorece outros tipos de comércio, como o surgimento de lojas menores. Além disso, a possibilidade de andar a pé pela cidade impulsiona o turismo, impacta a vida cultural e a sociabilidade.

E como podemos melhorar a caminhabilidade?
Segundo o artigo do livro “Cidades de Pedestres”, existem seis aspectos diferentes para se analisar o quanto um trecho é atrativo e acessível para pedestres:
• A calçada em si - O “hardware”, suas condições gerais de manutenção e o material usado.
• Atratividade - Conceito que abrange desde os locais que o espaço conecta, determinando o volume de seu fluxo, até a parte visual das fachadas.
• Segurança viária - A velocidade permitida na via adjacente é um fator que contribui para a usabilidade de uma calçada.
• Ambiente - É importante considerar se o trecho é arborizado, barulhento, tem sombra ou não.
• Mobilidade - O equipamento conta com ciclovias e está próximo do sistema de transportes?
• Segurança Pública - Item especialmente influente para o uso de qualquer espaço público.
E você, qual a sua opinião sobre o assunto?
Costuma se locomover a pé?
Seu bairro tem calçadas de qualidade?

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo