Fechar

Maringá

crime

Homem joga carro contra ex-namorada e acaba preso em Maringá; VÍDEO

Publicado por Nailena Faian, com colaboração de Monique Manganaro, 13:56 - 14 de Fevereiro de 2020

Foi preso nessa quinta-feira, 13, o homem que jogou o carro dele contra o da ex-namorada em Maringá, na última segunda-feira, 10. Uma câmera de segurança registrou o momento da batida (veja no vídeo acima).


A colisão ocorreu na Rua Saldanha Marinho, na Zona 7. Conforme as imagens, os dois carros seguiam pela mesma via, momento em que um deles fecha o outro. A mulher que conduzia o veículo acabou perdendo o controle da direção, atingindo a fachada de uma loja.


Apesar do susto, ninguém se feriu. O motorista que provocou o acidente foi embora sem prestar socorro à ex-namorada.


Segundo a polícia, após o acidente o homem ainda foi até a casa da ex-namorada e a agrediu com socos e chutes, ocasionando várias lesões na vítima.


Um mandado de prisão preventiva contra ele foi expedido, mas antes da polícia cumpri-lo, o motorista se apresentou na delegacia acompanhado de um advogado. Durante interrogatório ele confirmou ser o causador do acidente.



“Ele disse que a intenção não era machucá-la ou matá-la, mas impedir que prosseguisse em direção a Avenida Mandacaru e cruzasse sem olhar e assim viesse a colidir com algum veículo”, detalhou a delegada da Mulher, Luana Louzada Pereira Lopes.



De acordo com ela, o homem pode responder por tentativa de feminicídio, injúria, ameaça, dano, violação de domicílio, cárcere privado e invasão de dispositivo eletrônico.


O que diz a defesa


A defesa do motorista afirmou que a prisão do cliente “deu-se voluntariamente, visando contribuir para a escorreita apuração dos fatos, inclusive a partir da apresentação de sua versão acerca dos mesmos”.


A defesa também afirmou que irá se esforçar para reverter a prisão.



“Avalia, não obstante, que a prisão preventiva é injustificada, sobretudo diante de sua sincera vontade, já demonstrada concretamente a partir de sua espontânea apresentação à Polícia Civil local, de não furtar-se de suas responsabilidades, quaisquer que sejam elas. Envidará, nesse sentido, todos os esforços para a reversão deste quadro, admitindo que o cliente responda ao processo em liberdade, como ainda lhe garante a Constituição Federal. A defesa registra ainda que a hipótese de feminicídio tentado não condiz com o que se passou na realidade. O curso das investigações o demonstrará”, diz a nota enviada à imprensa.


Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo