Fechar

Política

Covid-19

Vereadores questionam decreto municipal sem consulta ao Legislativo

Publicado por Luciana Peña/CBN Maringá, 16:20 - 19 de março de 2020

O momento é grave. Não é necessário pânico, mas o isolamento social é a medida mais eficaz para conter o coronavírus. Foi o que disse o secretário de Saúde Jair Biatto durante a sessão da Câmara Municipal nesta quinta-feira.


Ele foi convidado pelos vereadores para explicar o decreto municipal que fecha o comércio, os restaurantes, os bares e impõe outras restrições por 30 dias.


Os vereadores puderam fazer perguntas. E todos começaram a falar lamentando o fato do Executivo não ter consultado o Legislativo ao decidir por uma medida tão drástica.


Os vereadores pareceram se convencer da necessidade da medida, mas disseram que só se saberá se foi eficaz com o tempo.


O vereador Sidnei Telles disse que o prefeito tem autonomia para baixar um decreto como esse sem consultar o Legislativo.


O vereador Odair Fogueteiro deixou claro que o prefeito assumiu a responsabilidade pela determinação, que pode quebrar muitas empresas. Ele disse que tem comerciante que não vai fechar a loja.


Maringá tem 23 casos notificados de coronavírus. Oito foram descartados, 14 suspeitos estão em investigação e um caso foi confirmado. Um vereador perguntou se é verdade que já há uma morte na cidade. Informação que circulou em redes sociais e chegou até o parlamentar. O secretário Jair Biatto negou.


E sobre a paciente que está com a doença, o secretário disse que ela continua internada, mas o quadro de saúde é estável.


Ouça a reportagem completa na CBN Maringá.

Bloco de Imagem

Foto: Luciana Peña/CBN Maringá


Quer receber nossas principais notícias por Whatsapp? Se sim, clique aqui e participe do nosso grupo! Lembrando que apenas administradores podem enviar mensagens.


Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo