Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso site, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar nosso portal, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

20 de fevereiro de 2024

Será que a IA irá tomar nossos empregos?


Por João Ricardo Tonin Publicado 12/02/2024 às 10h11
 Tempo de leitura estimado: 00:00

Na história mundial, várias revoluções têm impactado positivamente o mercado de trabalho, potencializando a produtividade e a tecnologia. Dentre as muitas já ocorridas, eu posso citar algumas:

  • A inversão das máquinas na época da Revolução Industrial trouxe grandes questionamentos sobre o trabalho manual e seu futuro. Hoje, porém, percebemos que sem as máquinas, seria impossível atender ao nível de consumo exigido pela economia global.
  • Quando o mundo pedia cavalos mais rápidos, Henri Ford criou o carro motorizado e mudou completamente o curso da indústria. Atualmente, é impensável viver sem carros ou outros meios de locomoção.
  • O surgimento do computador e, posteriormente, da internet revolucionou o acesso à informação, permitindo que ela fosse globalmente acessível. Hoje estar conectado se tornou uma parte fundamental de nosso dia a dia, melhorando nossa qualidade de vida e proporcionando inúmeras possibilidades.
  • Excel rapidamente se tornou uma ferramenta poderosa para a manipulação e organização de dados, cálculos e análises. Hoje esta ferramenta ainda é indispensável em nosso dia para inúmeras aplicações.

Essas revoluções têm em comum o fato de terem impactado positivamente o mercado de trabalho, potencializado a produtividade e levado a avanços tecnológicos inimagináveis. Elas nos mostram que, ao abraçarmos a mudança e explorar o potencial das novas tecnologias, somos capazes de desafiar limites e superar barreiras.

Robot handshake human background, futuristic digital age
Na história mundial, várias revoluções têm impactado positivamente o mercado de trabalho. Mas, será que a IA irá tomar nossos empregos?. Foto: Ilustrativa/Freepik

Ao aplicarmos essa análise à profissão de economista, identificamos riscos e oportunidades significativos. Para entender melhor isso, devemos considerar as responsabilidades e atividades típicas de um economista:

1.  Análise, interpretação de dados e construção de tendências de mercado

  • Riscos: Com a automação da análise de dados, certas tarefas tradicionalmente realizadas pelos economistas podem ser substituídas por algoritmos e sistemas de inteligência artificial (IA).
  • Oportunidades: Os economistas podem concentrar-se em tarefas mais estratégicas e criar análises mais precisas e eficientes, exigindo que os profissionais possuam competências avançadas para interpretar os resultados e atender as demandas do cliente.

2.     Elaboração de modelos e previsões econômicas

  • Riscos: Os modelos preditivos de IA consideram um conjunto maior de variáveis e métodos, o que pode gerar previsões econômicas mais assertivas em um tempo e esforço reduzidos.
  • Oportunidades: O economista terá a oportunidade de validar as análises feitas pela IA, além de interpretar e analisar os dados gerados por ela.

3.     Avaliação de projetos e políticas públicas

  • Riscos: Com base em um conjunto amplo de informações, a IA poderá realizar uma avaliação mais abrangente de políticas públicas e seus efeitos na economia.
  • Oportunidades: O economista poderá concentrar-se na estratégia e adaptar as informações provenientes da IA para o contexto do desenvolvimento de projetos ou políticas públicas.

4.     Análise e gestão de investimentos

  • Riscos: Algoritmos avançados e aprendizado de máquina podem ajudar a identificar padrões e tendências nos mercados financeiros, além de automatizar decisões de investimento considerando uma ampla gama de ativos e perfis de investidores.
  • Oportunidades: Com informações mais completas, o economista poderá fazer uma análise mais precisa e avaliar as melhores opções de investimento para o cliente, levando em consideração características subjetivas que não são facilmente captadas pela IA.

5.     Participação em debates e discussões

  • Riscos: A IA já é capaz de argumentar e fazer contrapontos em temas importantes, analisando debates anteriores e um amplo conjunto de informações para criar argumentos sólidos e assertivos.
  • Oportunidades: Ter apenas informações não é suficiente, é necessário uma análise crítica dos argumentos. Os economistas poderão acessar um conjunto rico de informações e personalizar seus argumentos de acordo com o momento, o público-alvo e o tópico em discussão.

Muitas vezes, os economistas acabam realizando trabalhos operacionais que consomem um grande volume de horas, resultando em relatórios extensos que têm o potencial de criar uma mudança significativa no tópico abordado. No entanto, ao retirar dos economistas a necessidade de realizar esse trabalho operacional extenuante, é possível direcionar os profissionais para estudos mais completos, assertivos e concluídos em menos tempo, permitindo que haja um maior foco na qualidade e agregando valor a um maior número de clientes.

Não apenas os economistas, mas também outros profissionais da área de serviços, reconhecem a importância de se manterem atualizados e familiarizados com novas ferramentas para se manterem competitivos no mercado. A inteligência artificial, inclusive, é capaz de indicar caminhos para aquisição de conhecimento que podem ajudar esses profissionais a se manterem sempre atualizados.

No entanto, é importante lembrar que as IAs são imbatíveis em termos de habilidades técnicas, mas têm deficiência em soft skills, como o relacionamento interpessoal, liderança, gestão de expectativas, comprometimento e visão estratégica. Essas habilidades pessoais continuarão sendo grandes diferenciais competitivos.

Há muita água ainda para passar por debaixo da ponte, mas já é possível perceber que podemos oferecer ainda mais valor e gerar um impacto significativo para nossos clientes, o governo e as instituições por meio da nossa profissão. O segredo está em mantermo-nos constantemente atualizados e, na medida do possível, incorporar as ferramentas de inteligência artificial em nosso cotidiano, sem comprometer a nossa qualidade de vida ou tomar decisões impulsivas.

AIA: a parceria perfeita na escrita deste texto em apenas 1h12 min. Enquanto me dediquei à construção do roteiro, exemplos e conteúdo chave, a IA me proporcionou apoio na gramática e na síntese das ideias.

Pauta do Leitor

Aconteceu algo e quer compartilhar?
Envie para nós!

WhatsApp da Redação