Fechar

Maringá

Covid-19

Em áudio vazado, presidente da Câmara critica ações do prefeito; OUÇA

Publicado por Redação GMC Online, 21:06 - 07 de abril de 2020

Nesta terça-feira, 7, circularam no WhatsApp dois áudios do presidente da Câmara de Maringá, Mário Hossokawa, em que ele critica as ações do prefeito Ulisses Maia no combate ao coronavírus.


No dia 18 de março, foi decretado estado de emergência por conta da pandemia da Covid-19, apesar de o município não ter nenhum caso confirmado na época, e desde o dia 20, foi determinado o fechamento do comércio de Maringá, por 30 dias. Desde então, a prefeitura tem realizado fiscalização nos estabelecimentos para fazer valer o decreto.


No áudio vazado desta terça-feira, 7, Hossokawa cita a situação que ocorreu no Jardim Alvorada, em que o proprietário de um lava jato desmaiou durante fiscalização da prefeitura, após ser imobilizado por agentes da Guarda Municipal, e diz que a situação tende a piorar.



“Eu penso que tem que tomar alguma atitude, fazer alguma coisa, porque se deixar ele resolvendo da forma como está resolvendo, eu acho que pode virar calamidade mesmo, porque eu não vi calamidade até agora, mas vai virar calamidade de verdade”, disse em um dos áudios.



Em outro trecho, Hossokawa diz: “o grande problema é que, a gente assumir qualquer responsabilidade sobre alguma mudança ou exigir, não dá, porque é muito perigoso a gente fazer isso nessa altura do campeonato. Já que ele fez tudo sozinho, a gente assumir é um risco muito grande para nós, mas ao mesmo tempo ele tem que ouvir as pessoas”.


E no mesmo áudio disse que, durante uma reunião, o Conselho de Desenvolvimento Econômico de Maringá (Codem) perguntou se existe um gabinete de gerenciamento da crise. Hossokawa respondeu: “não sei, na minha opinião eu acho que não tem. Ele [Codem] mandou um ofício para a Câmara, para a Câmara perguntar para ele [prefeito], e ele não respondeu também o pedido que eu fiz para a prefeitura”.


Procurado pelo GMC, o presidente da Câmara disse que enviou os áudios em um grupo de WhatsApp dos vereadores da cidade, e que o conteúdo é real.



“Nós temos um grupo de WhatsApp dos vereadores, que nós conversamos entre nós. Não tem nada de irregular. O que eu falei é o que tenho falado desde o começo, que a Câmara tem sido ignorada. Ele não chama a Câmara para nada, tomou as decisões sozinho”, afirmou Hossokawa.



Ele destacou que o prefeito não atende os representantes do Sindicato dos Lojistas do Comércio Varejista e Atacadista de Maringá e Região (Sivamar) e da Associação Comercial e Empresarial de Maringá (Acim).



“É lamentável o que está acontecendo. A população está reclamando, empresários em desespero e simplesmente não podemos fazer nada porque tudo o que falamos ele não atende”, enfatizou.



Ao GMC, Hossokawa lembrou das panificadoras, que foram proibidas de abrir em Maringá pelo decreto 445/2020, de 18 de março, e só puderam voltar a funcionar no dia 2 de abril, após decisão do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR).



“Eu pessoalmente falei tanto da questão da panificadora e açougue, que os clientes que poderiam em dez minutos comprar pão na panificadora, estavam congestionando os supermercados e demorando 40 minutos. Falei que não estava certo e ele só voltou atrás por causa da ordem judicial”, acrescentou.



Ouça os áudios que vazaram:


Quer receber nossas principais notícias pelo WhatsApp? Se sim, clique aqui e participe do nosso grupo. Lembrando que apenas administradores podem enviar mensagens.


Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo