Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso site, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar nosso portal, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

17 de abril de 2024

Plano de saúde tem que cobrir cirurgia de mudança de sexo, decide STJ


Por Agência Brasil Publicado 05/12/2023 às 11h31
 Tempo de leitura estimado: 00:00
stj_1908200979_0
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil.

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, por unanimidade, que as operadoras de plano de saúde são obrigadas a cobrir as cirurgias necessárias para a mudança de sexo.

Os cinco ministros que compõem a turma, especializada em Direito Privado, deram ganho de causa a Ana Paula Santos, de Uberaba, confirmando decisões judiciais anteriores.

Todos os ministros entenderam que as cirurgias de transgenitalização e de plástica mamária para colocação de próteses não podem ser consideradas experimentais ou estéticas, como alegado pela Unimed de Uberaba.

Prevaleceu o voto da relatora, ministra Nancy Andrighi, que frisou que o Conselho Federal de Medicina (CFM) reconhece tais cirurgias como recomendadas para casos de mudança de sexo. Os procedimentos já são também cobertos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), não havendo assim razão para não serem cobertos por planos de saúde.

A ministra destacou que a Organização Mundial de Saúde (OMS) reconhece a chamada disforia de gênero – quando uma pessoa se identifica com gênero não compatível com o sexo de nascimento.

“A OMS ressalta que essa condição, muitas vezes, leva a um desejo de “transição” para viver e ser aceito como uma pessoa do gênero experienciado, seja por meio de tratamento hormonal, intervenção cirúrgica ou outros serviços de saúde, para que o corpo possa se alinhar, tanto quanto desejar e na medida do possível, com o gênero vivenciado”, lembrou a relatora.

A ministra também citou a Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, que desde 2011 vem ampliando o acesso ao processo transsexualizador no SUS.

A relatora escreveu em seu voto que “por qualquer ângulo que se analise a questão” as cirurgias de redesignação sexual são de cobertura obrigatória pelos planos de saúde. Além da realização dos procedimentos, Andrighi também manteve indenização de R$ 20 mil a ser paga pela Unimed de Uberaba à mulher que recorreu ao STJ.

Pauta do Leitor

Aconteceu algo e quer compartilhar?
Envie para nós!

WhatsApp da Redação
Geral

Como funcionava o esquema ‘parasita’ de tráfico de drogas para a Europa descoberto pela PF


A Polícia Federal do Rio Grande do Sul desarticulou nesta terça-feira, 16, uma quadrilha especializada no tráfico de cocaína para…


A Polícia Federal do Rio Grande do Sul desarticulou nesta terça-feira, 16, uma quadrilha especializada no tráfico de cocaína para…

Geral

Bombeiro atira em passageiro que pulou catraca do Metrô na Luz, no centro de SP


Ferido foi encaminhado para atendimento na Santa Casa. Secretaria da Segurança diz que disparo ocorreu após luta corporal entre o…


Ferido foi encaminhado para atendimento na Santa Casa. Secretaria da Segurança diz que disparo ocorreu após luta corporal entre o…

Geral

Professor é preso sob suspeita de roubo, mas escola diz que ele estava em aula a 200 km


Um professor ligado à rede estadual de ensino de São Paulo foi preso temporariamente na terça-feira, 16, sob a suspeita…


Um professor ligado à rede estadual de ensino de São Paulo foi preso temporariamente na terça-feira, 16, sob a suspeita…