Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso site, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar nosso portal, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

13 de julho de 2024

Mercado imobiliário pós-pandemia tem dados que o jogam para o seu maior e melhor momento da história!


Por Allan Cardoso Publicado 11/08/2021 às 23h15 Atualizado 19/10/2022 às 15h46
Ouvir: 00:00
Foto: Ilustrativa

De todos os setores da economia, o mercado imobiliário é um dos que mais se recuperou da crise causada pela pandemia do novo coronavírus, cresceu em 2020, vive um bom momento em 2021 e pode viver o melhor semestre do século 21 nesses próximos meses. Diferentes motivos explicam esse aquecimento e pode-se dizer que a alta disponibilidade de crédito foi um incentivo para que os consumidores buscassem um imóvel.

Uma pesquisa realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) mostrou que a previsão de crescimento para 2021 é de 30%. Só no primeiro trimestre deste ano, os financiamentos cresceram 113% na comparação com o mesmo período de 2020.

O setor imobiliário é acostumado com crises e, porém, sempre assistindo e não vivendo. Toda a economia mundial foi abalada por um período de crise entre 2015 e 2017, e depois disso o também mercado imobiliário vinha mostrando sinais de recuperação ao longo de 2018, trazendo boas perspectivas para 2019 e 2020. Mas a chegada do coronavírus ao Brasil impôs grandes mudanças de planos, paralisando negócios e muitos setores da economia.

Mas, como já dissemos, o setor imobiliário do Brasil assiste as crises e, é menos atingido por elas do que outros setores da economia. Contrariando a crise criada pela chegada da covid-19, o ramo de imóveis vem mostrando resiliência com sinais de recuperação desde o fim do segundo trimestre do ano passado. Há um ano.

Os economistas e operadores do mercado imobiliário vêem diferentes motivos para esse aquecimento, como, por exemplo, a alta disponibilidade de crédito. Em 2020, com pandemia paralisando tudo, houve um crescimento nos valores financiados de 57,5% em comparação ao ano anterior, como apurou a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança, a Abecip.

Pesou também o fato de os juros baixos facilitarem o lançamento de empreendimentos ao mesmo tempo em que atraíram compradores e investidores, que viram na aquisição de imóveis ou de fundos imobiliários uma opção com melhor rendimento e segurança do que outras modalidades de aplicação financeira.

Aquém a isto temos também que levar em consideração a segurança da propriedade do imóvel não depender de nada nem ninguém a não ser o proprietário e, digo isso pelo aumento de quitações que houve no mercado imobiliário de imóveis financiados quando da pandemia de 2020, trazendo recursos guardados como poupança no banco para a certeza da propriedade imobiliária tendo em vista o lastro que se tem do governo na década de 90 quando de uma “crise” que sequer era mundial.

Por fim, o crescimento acontece no agora.

Para o estatístico Marcus Araujo, presidente e fundador da Datastore e um dos profissionais mais procurados para explicar tendências do mercado na área de imóveis, se as condições econômicas atuais forem mantidas e a perspectiva de aumento do PIB no segundo semestre se concretizar, o setor deve alcançar a maior demanda imobiliária da história já entre setembro e outubro deste ano.

Araujo explica que a probabilidade de fechamento das intenções de compra gira em torno de 13%, o que representa, nesse caso, quase 1,9 milhão de imóveis novos. “Hoje um lançamento no Brasil tem probabilidade de (esgotar) vendas em 8 meses. O mercado está respondendo assim porque existe muito mais demanda do que oferta”, analisa. “É uma supervelocidade que já previmos em junho do ano passado.” Sendo repetitivo: maior demanda imobiliária da história. Essa é a perspectiva para um público que se ampliou em vários quesitos: idade versus alçada financeira precoce; quantidade de gêneros reconhecida que trazem uma respeitada nova gama de compradores ao mercado; novos investidores atrelados à tecnologia imobiliária; enfim, um mercado que permeia na história como sendo o mais antigo e, que mantém a certeza da segurança até em momentos de aprendizado pandêmicos mundiais.

LEIA TAMBÉM – Como aplicar o conceito de sustentabilidade no viver e no morar

QUEM É O COLUNISTA? Com 20 anos de atuação no mercado imobiliário, Allan Cardoso é empresário, consultor e mentor do mercado imobiliário à frente de imobiliária, loteadoras e construtoras.

Pauta do Leitor

Aconteceu algo e quer compartilhar?
Envie para nós!

WhatsApp da Redação