Fale conosco
  • Ouça agora

    Maringá FM

    As mais tocadas da Maringá FM

  • Ouça agora

    CBN Maringá

    As mais tocadas da CBN Maringá

  • Ouça agora

    Mix FM Maringá

    As mais tocadas da Mix FM Maringá

  • Ouça agora

    CBN Cascavel

    As mais tocadas da CBN Cascavel

Portal GMC Online

Agora em Maringá

Ver próximos dias

Notícias

Maringá: Morador da Zona 7 treina voo livre de arara-canindé; VÍDEO

Em um apartamento da Zona 7, em Maringá, vive uma arara-canindé fêmea, batizada de Zazu. Nascida em cativeiro no dia 12 de janeiro deste ano, ela chegou com apenas 57 dias de vida. O tutor é Ivan Leandro de Rezende, 27 anos, que dedica no mínimo seis horas diárias ao animal.

“Sempre gostei muito de animais, de modo geral, mas as aves sempre mexeram com a minha imaginação, desde criança. Quando cresci, comecei a estudar a possibilidade de ter psitacídeo de grande porte. Fiz o melhor curso que existe no Brasil sobre como dar a melhor qualidade de vida para esses animais, e então escolhi ter uma arara”, conta.

A venda da arara-canindé é permitida porque a espécie não está em extinção. Mas, cuidar de uma ave como essa exige tempo e muito empenho. Para se preparar, Ivan Leandro de Rezende precisou readequar toda a sua rotina.

“Sou autônomo, trabalho em casa, então centralizei meu trabalho nos horários antes de ela acordar. Acordo 6h30 e trabalho até ela acordar, às 9h30. Ela dorme às 18h. Eu passo boa parte do tempo envolvido com ela, interagindo, dando atenção, treinando, fazendo tudo o que esse animal precisa para ter um desenvolvimento cognitivo saudável. No começo foi difícil, porque por mais que eu me preparei, estudei e pesquisei, quando ela chegou, tudo mudou na minha rotina, é como se fosse uma criança”, frisa.

Segundo ele, o único jeito saudável de ter uma ave em cativeiro é permitindo que ela voe. A Zazu voa, no mínimo, meia hora por dia, exceto em dias de chuva.

“Moro em apartamento e seria extremamente prejudicial para esse animal se ele não praticasse voo livre. Toda ave precisa voar. E para isso você precisa treinar, senão você perde ela. O objetivo do voo livre é dar oportunidade para esse animal se desenvolver completamente, mesmo em cativeiro. Dou a ela todas as possibilidades de exposição que ela teria vivendo na natureza. Ela já foi perseguida por outras aves, agora está aprendendo a pousar em árvores, começou a comer e brincar com frutos”, relata.

Veja o vídeo de um dos treinamentos: 

Ivan Leandro de Rezende treina a ave em um espaço da Universidade Estadual de Maringá (UEM). A Zazu está no nível três do voo livre, o que quer dizer que ela voa em locais com árvores. O nível máximo é o cinco, quando a ave voa dentro do bairro, tendo a possibilidade de sair de casa sozinha e retornar.

A Zazu se alimenta de ração específica para araras, além de frutas, legumes e vegetais. Rezende criou um Instagram para a ave, onde compartilha vídeos sobre os treinamentos de voo livre. Clique aqui para acessar o perfil.

 

Quer receber nossas principais notícias pelo WhatsApp? Se sim, clique aqui e participe do nosso grupo. Lembrando que apenas administradores podem enviar mensagens.

As mais lidas agora

Pagamento de até R$ 500 do FGTS para trabalhadores começa nesta sexta

O pagamento de até R$ 500 por conta do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) começa nesta sexta-feira (27) para os trabalhadores nascidos em maio, junho, julho e agosto com poupança ou conta-corrente na Caixa Econômica Federal. A Caixa Econômica Federal iniciou neste mês o depósito automático para quem tem poupança, seguindo calendário […]

Pagamento de até R$ 500 do FGTS para trabalhadores começa nesta sexta

O pagamento de até R$ 500 por conta do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) começa nesta sexta-feira (27) para os trabalhadores nascidos em maio, junho, julho e agosto com poupança ou conta-corrente na Caixa Econômica Federal. A Caixa Econômica Federal iniciou neste mês o depósito automático para quem tem poupança, seguindo calendário […]


Notícias

Tem luz e ajuda no fim do túnel

As medidas para evitar a propagação do coronavírus trouxeram grandes impactos aos varejistas maringaenses, mas também motivaram às empresas a serem ágeis na adoção de medidas para minimizar as dificuldades que surgiram.